Entrevista: Publicitário Gustavo Prado

O site do bareta, esta começando hoje uma serie de entrevista com personas influentes da cidade. Nesse período pandêmico, vamos saber o que pensam, o que fazem, e suas visões de mundo. Tudo feito com muito carinho, para você navegador do mundo!
Para abrir, essa serie de entrevista semanal, vamos conversar com o publicitário Gustavo Prado.
Natural de Aracaju, Gustavo com seus 36 anos, já passou por outras praças, e é aquele companheiro que na roda de conversa, sempre faz graça. Criativo, persistente e amigueiro, Gustavo teve a pouco tempo, os holofotes focado nele, quando na eleição passada, o mesmo fez a campanha do atual deputado Rodrigo Valadares, na época, candidato a prefeito de Aracaju.
Vamos começar!
Site do Bareta:
Guga, como foi fazer a campanha de Rodrigo Valadares?
Gustavo Prado:
Ah, fazer a campanha de Rodrigo foi uma grande experiência. Quando começamos a campanha, ele quase não pontuava, mas acabamos a campanha com mais de onze pontos. Diante de um discurso mais extremista, eu acredito que foi um grande resultado.
Site do Bareta:
E a que você acredita que foi determinante para chegar a esse resultado?
Guga:
Sem sombra de dúvida, a nossa equipe. A campanha de forma geral, foi dirigida por Alisson Bonfim. Um cara que me surpreendia todo dia, um verdadeiro gênio! Confesso também, que foi fácil trabalhar para Rodrigo, pois ele por si só, já é uma maquina. Um cara inteligentíssimo!
Quando juntou as três cabeças pensantes, eu, Rodrigo e Alisson, o resultado não poderia ter sido diferente. Fizemos, plasticamente falando,, e na minha ótica, a campanha mais bonita dessa ultima eleição.
Site do Bareta:
Falando da campanha, o que você hoje faria diferente, para conquistar o objetivo maior, a prefeitura?
Guga:
Olhe, reafirmo que saímos vitoriosos. Ninguém esperava que a gente chegasse tão longe, e houve um momento na cidade, que ate quem não votava na gente, torcia pela nossa vitória. Mas hoje se voltasse ao tempo, talvez tentasse diminuir o posicionamento mais extremista. Teria tentado camuflar mais Rodrigo. Ainda que, seria outra árdua missão. Não por nada, simplemente porque Rodrigo tem posicionamento definido, e certo ou errado, não acredito que ele topasse por uma capa de cordeiro, para depois se mostrar lobo. Rodrigo é aquilo que vocês viram. Porém, o que tenho certeza que não conseguimos mostrar, e voltando ao tempo, não acredito que conseguiríamos, era mostrar toda a profundidade de conhecimento que Rodrigo tem. Sentar para discutir com Rodrigo, é receber uma aula.
Site do Bareta:
E como é a sua relação hoje com o deputado?
Guga:
Rodrigo? Excelente.
Hoje não estamos tão próximo, mas eu continuo a admira-lo. Porem, minha função hoje, esta no quinto andar da assembleia, e não mais no terceiro rs.
Site do Bareta:
Isso. Se tem uma relação boa com Rodrigo, porque hoje você não esta com ele?
Guga:
E quem disse que não estou?
Estou tanto, que torço por uma união dele com o deputado João Marcelo. Os dois se dão muito bem, ainda que estejam de lados oposto. Mas existe de ambas as partes, e posso dizer isso de forma segura, um grande respeito entre eles.
Site do Bareta:
Quer dizer que eles vão se unir, no próximo pleito?
Guga:
Não sei! Mas Sergipe só teria a ganhar com essa união. Os dois são visionários e realizadores. Era tudo que Sergipe precisava. E eu como sergipano, não posso torcer diferente, ao que viesse causar um bem retado para o Estado.
Site do bareta:
E João?
Guga:
João é meu amigo de infância, estudamos juntos, e eu tenho um carinho enorme pela família dele. João foi prefeito de Dores, e na época, foi um dos melhores prefeitos da região. Ouso dizer ate que, se fizermos uma analise técnica e minuciosa, levando em consideração receita, cultura e condições de maneira geral, João Marcelo, foi naquele momento, um dos melhores prefeitos do Brasil.
Site do Bareta:
E como esta João na assembleia, ele vai para reeleição?
Guga:
Claro! O sertão e médio sertão é apaixonado por João. Ele é a esperança de uma região, quase abandonada e sem representatividade. Dores, Siriri, Cumbe, Glória, Capela, a região do baixo São Francisco, precisa de João e digo isso, sem o menor constrangimento. João, como ate o nome ajuda, é um cara do povo. Desde pequeno ele sempre teve esse espirito altruísta.
E lá na assembleia, João tem tomado a dianteira e o protagonismo. Governista, mas sem cabresto, jõão vem sendo a situação atuante. Ele trabalha e legisla de acordo com a necessidade do povo, sem a necessidade de um enfretamento mais ríspido com o governador.
Site do bareta:
Mas falando de politica nacional, como você vê o cenário político nacional hoje?
Guga:
Olha, é inegável que ninguém fez mais (bem feito) distribuição de renda, do que o governo Lula. Porém a esquerda meteu os pés pelas mãos e o sistema não perdoa. Todos tem telhado de vidro. E fino!
O governo Bolsonaro, vem trabalhando e trabalhando bem, mas a grande massa, que é instruída por emissoras de tv, muitas vezes só repetem o que ouve e não vão em busca de respostas. Nós precisávamos de um freio, e isso o Jair fez/deu. Acredito que o grande erro da esquerda, foi entregar para Dilma a presidência. O PT estava em seu melhor momento da historia. Se lermos Maquiavel, talvez entendêssemos que naquele momento, fosse melhor entregar para Ciro e depois tomar, do que fazer o que fizeram. Hoje, eu não acredito de uma volta da esquerda ao poder, pelo menos, ate as próximas duas eleições para presidente. Como a tendência, é que Lula – daqui para lá- não tenha mais saúde para encarar uma maratona de eleição, eles precisam se preocupar em fazer um sucessor. Se a eleição fosse hoje, acredito que Bolsonaro levasse ainda no primeiro turno. Porém, esta muito cedo ainda. Daqui para lá, tudo pode acontecer. Inclusive, nada!
Site do Bareta:
Como publicitário, o que você faria para que Bolsonaro continuasse no poder?
Guga:
Como profissional, sendo contratado?
Ah, sem duvida a primeira coisa era tentar conte-lo. Nada de leite moça, nem parada na esplanada. Bolsonaro precisa falar menos e deixar que seus feitos apareçam mais. Ele próprio – sua assessoria- permite fazer sombra aos seus feitos. As suas obras como presidente não aparecem. E Não aparecem porque os “escândalos” estão dando mais audiência. É preciso deixar a polemica de lado e trabalhar com mais agressividade, seus atos.
Site do Bareta:
E se virasse o jogo e você fosse contratado para fazer a campanha de Lula?
Guga:
Primeiro que eu não acredito que Lula venha candidato. Porque, goste ou não, acredito que a eleição é de Bolsonaro. Mas se assim me chamassem, sem duvida, meu primeiro ato, era trazer Duda Mendonça, Cauê e Lelê. Com nós quatro juntos, viraríamos qualquer jogo. É evidente, que faríamos o que sabemos fazer de melhor: desconstruíamos o candidato opositor, e tocaríamos os corações das massas.
Não acredito em campanha sem emoção. Sem carne, sem sangue, sem vida. As pessoas votam em quem as conquista, elas querem se apaixonar. Um grupo restrito quer saber do eficiente, eles querem saber, é da paixão. Se conseguirmos juntar os dois pilares, melhor claro. Mas se não, bote uma pitada de romantismo, de choro, de lagrima, de sorriso, de beijos, de candura… e caia na graça do povo.
Lula é um ser apaixonante, Lula tem feitos por todo o país (claro que podemos questionar alguns dos seus feitos, mas tem!), seria fácil!
Site do Bareta:
Falando de Sergipe, o que você faria diferente do que Cauê tem feito atualmente.
Guga:
Nada!
Eu no lugar dele, só me chamava para reforçar o time (rsrsr), mas no mais…
Por mais ousado que eu seja, seria um desplante tentar ensinar Cauê a trabalhar. Cauê, é um mago!
Site do Bareta:
Qual sua visão do mercado publicitário Sergipano?
Guga:
Não sei qual dos Francos foi quem falou, mas ouvi dizer que um deles defendia, ou defende a máxima de que ‘ quem vence em Aracaju, vence em qualquer lugar do mundo’ concordo!
O mercado publicitário Sergipano, é muito raso. Recentemente, eu estava operando como agência de mkt promocional. Mas aqui, o mkt promocional, se resume a faixa e panfleto. Ninguem faz uma mídia viva, trabalha um brand content, e nem as produtoras daqui sabem o que é produção de conteúdo. Fico na duvida, se a culpa é do empresariado, na sua maioria já tem uma certa idade (os donos), ou se é nossa (profissionais), que não temos persuasão suficiente.
Site do Bareta:
E a internet, aliada ou inimiga?
Guga:
A internet, há de ser sempre uma aliada. A vida segue sempre para frente, não temos como voltar atrás. Mas, em um mercado globalizado, você imaginar que as emissoras locais, não trabalham com multiplataformas, e os sociais mídias cobram em media 300 reais para gerir suas redes sociais, isso nunca pode da certo. Aí sim, é retroceder. Outro grande equivoco que você vê aqui no Estado é a massificação do instagran, por exemplo, ocupando o lugar da tv (me refiro aos investimentos publicitários). O app por si só, não gera venda. Ferramentas de marketplace precisam ser mais explorada pelo mercado, e por sua vez, publicizada. O grande erro, é estarmos sempre dentro da bolha, o mercado de uma maneira geral, acredita que ter X mil seguidores é um grande feito. Acredita que o trafego pago é a solução porque você investe pouco. E não é!
Eu não acredito nos atalhos nem nas promoções. Se você paga trezentos reais a um profissional, você não pode cobrar um resultado maior que o medíocre. É como se formar em uma faculdade de 99,90 e após, imaginar que terá um salário de 10 mil.
As mídias, sejam on line ou off line, precisam se unir. Convergencia! Ninguem nunca viu uma andorinha fazer verão.
Site do bareta:
Você acredita com o fim da TV?
Guga:
Nunca!
Esses dias eu escrevi que é verdade que os tempos mudaram, mas que tão verdade quanto, é que os tempos sempre mudam. E as TVs também mudaram no decorrer dos tempos, e seguiu acompanhando a evolução. Desta vez, não vai ser diferente. O que diferencia, foi o que falei a cima, é a necessidade de trabalhar com multiplataformas. E isso não significa que um pgm por exemplo, deve após seu horário na TV, continuar na internet. Não! Isso significa que na internet, esse programa tem o dever de se tornar ainda mais interativo e próximo. Renovar até a linguagem se for o caso, botar uma nova roupa e novos adereços. A internet traz o desafio da audiência real e não por estimativa, como estávamos acostumado, e é aí que as emissoras de TV precisam se reinventar. A internet, é uma aliada da TV e não uma concorrente, ela trás a possibilidade de fidelizarmos o nosso público, e estarmos presente sendo fonte de credibilidade, interação e descontração. Que por incrível que pareça, são duas coisas completamente diferente.
Site do Bareta:
Mas para o rádio sim, agora com essas plataformas como deezer, spotify, e outras, o fim chegou, ok?
Guga:
Não!
Luiz Gasparetto, já dizia que tudo tem começo e meio. O fim só existe para quem não reconhece o recomeço. E o recomeçar é agora! Antes, todo dono de emissora de rádio, acreditava que a evolução, era ter uma emissora de TV, hoje com a internet, as emissoras de rádio, podem também se transformar em uma emissora de tv. E falando de investimento publicitário, as rádios que bem souberem, poderão gerir novas fontes de renda. Trabalhando projetos especiais e, consequentemente, novos formatos, há aí, um mar de oportunidades.
Tem uma frase que eu gosto muito, ela diz que a obviedade é a visão mais cega e menos criativa das coisas. Chegou o momento da emissora de TV não ser somente uma emissora de televisão, bem como as emissoras de rádio. E vou te confessar mais: a hora é agora!
Site do Bareta:
Qual o segredo para se manter vivo, nos dias de hoje?
Guga:
Além de usar álcool 70% nas mãos sempre e não se separar das mascaras, é preciso observação, perspicácia, e perseverança. O mundo esta mudando, e toda mudança causa uma resistência. Por isso é preciso muito estudo, e perseverar no que acredita. Mas uma coisa que não muda nunca, nem vai mudar, é a necessidade da observação. É preciso observar mais para agir com assertividade. Se não observarmos tudo com bastante cautela e atenção, continuaremos sendo mais dos mesmos, e acreditando que a TV Digital, se resumirá em boa qualidade de imagem.
Assim, como álcool em gel e mascara, é preciso entendermos, que os clientes precisam muito mais do que trinta segundos da nossa atenção.

Comente: