Em entrevista, Emília desmente que desistiu da pré-candidatura ao Senado

“Precisamos afastar os corruptos do poder. Não importa o partido, vamos afastar os corruptos do poder”. Foi com essa afirmação que Emília Corrêa, pré-candidata ao Senado pelo Patriota iniciou a sua entrevista ao radialista Rusvel Santana da Radio Princesa da Serra, em Itabaiana, região agreste do Estado.
Emília afirmou que o Brasil não precisa mudar, o que de fato precisa acontecer é um amadurecimento da mentalidade dos brasileiros que devem acreditar que, com a força que tem, podem fazer um País e um Estado que merecem.
“Que o nosso voto, independente da escolha, seja um voto limpo, consciente, em pessoas realmente comprometidas com a coletividade e não com interesses meramente individuais, com foco somente no poder”, disse.
Sobre os partidos, que hoje ditam as regras, a pré-candidata ao Senado foi enfática em dizer que as agremiações partidárias, como hoje se constituem, estão na berlinda.
“O partido existe por uma formatação jurídica, mas se houvesse uma reforma política séria, tenderiam a desaparecer. Mas esse é um longo caminho, porque existem muitos interesses inerentes aos partidos. Tenho certeza que uma mudança iria diminuir esse antro de corrupção que tem no Brasil”, explicou.
Questionada sobre a possibilidade de desistir da pré-candidatura ao Senado e as “fake news” publicadas recentemente, que dão conta de uma mudança de planos políticos, Emília foi direta:
“Não entro numa disputa para blefar. Sou pré-candidata ao Senado, sim. O Patriota tem posição, mas não ainda definição sobre composição. Ao presidente do partido em Sergipe, João Nascimento, fiz apenas algumas restrições quanto às futuras coligações. Exerço uma oposição responsável às gestões estadual e municipal de Aracaju e faço questão de manter a minha coerência. No mais, não adianta tentar minar o nosso grupo, confundir o cidadão sergipano. O Patriota é forte, tem atitude e isso começa a incomodar”, concluiu.
Ascom
Foto: César de Oliveira

Comente: