Movimento Polícia Unida deflagra “Operação Tolerância Zero” neste sábado (18)

Policiais civis, policiais militares e bombeiros militares estarão reunidos no sábado, às 16h, em frente à Central de Flagrantes

O Movimento Polícia Unida convoca todos os policiais civis, policiais militares e bombeiros militares para a deflagração da Operação Tolerância Zero, mobilização coletiva que acontece neste sábado (18), das 12h às 0h do domingo (19).

Segundo Adriano Bandeira, presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE), a operação será mais uma forma de mostrar a união desses profissionais na luta pelo adicional de periculosidade e que o Movimento não vai parar até que o pleito, justo e constitucional, seja atendido.

“Será mais um momento de nos unirmos em prol da luta pelo adicional de periculosidade e mostrar para o Governo que não vamos nos dar por vencidos. Buscamos uma negociação com o governador Belivaldo Chagas há mais de 500 dias, mas ele insiste em não dialogar conosco, pelo contrário, descredibiliza o Movimento Polícia Unida com ataques a esses profissionais que trabalham de forma incansável para garantir uma melhor segurança à população, e isso é algo que não mais aceitaremos. Estamos, desde o início, dispostos e abertos ao diálogo, e enquanto isso não acontece, vamos mostrar nossa força e união”, destacou Adriano Bandeira.

A direção do Movimento solicita que os colegas militares de serviço conduzam toda e qualquer infração penal, inclusive os crimes de menor potencial ofensivo e as contravenções penais, à Central de Flagrantes, localizada no bairro Santos Dumont, em Aracaju, e às Delegacias Plantonistas, no interior. Já para os colegas civis, caberá o recebimento das ocorrências e a lavratura de procedimentos, de acordo com as recomendações da cartilha.

Para os colegas ativos e inativos, que não estarão de serviço, o Movimento solicita que compareçam em frente à Central de Flagrantes, às 16 horas deste sábado, para somar apoio aos colegas de serviço que estarão trabalhando na Operação Tolerância Zero e às lideranças do Movimento Polícia Unida, que estarão fiscalizando e discursando em favor dos direitos desses profissionais.

Adicional de periculosidade

O benefício é um direito de todo profissional que trabalha em situação que coloque sua vida em risco, não sendo entendido como bonificação, mas sim um adicional permitido pelas constituições Federal e Estadual. A atividade policial é totalmente exposta aos riscos.

Movimento Polícia Unida

O Movimento Polícia Unida é formado por nove entidades sindicais e representativas: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE); Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Sergipe (Adepol/SE); Associação Militar Única; Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares do Estado de Sergipe (Aspra); Associação dos Oficiais Militares de Sergipe (Assomise); Associação Integrada de Mulheres da Segurança Pública em Sergipe (Asimusep); Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Amese); Associação dos Militares da Reserva Remunerada e Pensionistas do Estado de Sergipe (Asmirp/SE); e Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros (ACS-SE).

Comente: