Com novos equipamentos e investimentos, Emurb toca 32 obras e altera cenário urbano da capital

Aquisição de novos de equipamentos, retomada da produção da usina de asfalto e recuperação de maquinário. Essas foram algumas das prioridades da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb) nos últimos dois anos e meio. Esses investimentos possibilitaram que a Empresa acompanhasse as novas necessidades do município e retomasse mais de 30 obras estruturantes em toda a capital. 

De acordo com o secretário municipal de Infraestrutura e presidente da Emurb, Sérgio Ferrari, a Empresa hoje vive uma nova realidade, bem diferente da encontrada em 2017, quando a atual gestão foi iniciada.  “A gente encontrou a Emurb desaparelhada, devendo muito dinheiro para os fornecedores, com equipamentos sucateados e a maioria das obras, para não dizer todas, paralisadas”, afirma Ferrari.

O cenário demandou um planejamento interno intenso. “Logo que assumiu, o prefeito fez um seminário de planejamento estratégico e estabeleceu metas. Tão logo elas foram definidas, nós realizamos um planejamento interno para poder dar conta e executar esse trabalho”, ressalta Sérgio Ferrari.

A execução desse planejamento começou pela recuperação da usina de asfalto, para que, com ela, a Empresa pudesse voltar a realizar os serviços de tapa-buraco e de recapeamento na cidade. Depois, a Emurb recuperou as máquinas de terraplanagem. “Foram seis meses para corrigir a usina e recuperar os equipamentos. Só então pudemos retomar os serviços”, lembra Ferrari.

Desde então, a Emurb também vem adquirindo novos equipamentos, com destaque para uma máquina de fresagem, que, segundo o secretário, permite maior qualidade no serviço de recapeamento. “É a primeira vez que a Emurb adquire um equipamento desses”, revela Sérgio Ferrari. Todos esses investimentos têm sido fundamentais para a retomada das obras na capital. 

“Com o início da obra da Maternidade, retomamos as 32 obras que estavam paralisadas. Parte delas já foi concluída e entregue, como as do Jardim Petrópolis,  do Coqueiral e do 17 de Março”, reforça. O montante investido na execução dessas obras supera os R$ 400 milhões, já captados e assegurados pela gestão. “O prefeito Edvaldo Nogueira também buscou financiamento para o complemento da contrapartida necessária para executar essas obras, além de captar recursos para as demais por meio de emendas parlamentares”, afirma o secretário. 

Outro trabalho importante realizado recentemente pela Emurb é o da manutenção da rede de drenagem da cidade, que, nesse caso, conta com o apoio da Empresa Municipal de Serviços Urbanos – Emsurb. “A ação da Emurb consiste na desobstrução da rede e a da Emsurb, dos canais”, detalha. Com esse trabalho, segundo Sérgio Ferrari, foi possível passar pelas últimas chuvas sem grandes sustos e riscos.

“Notamos uma diminuição muito grande dos alagamentos em épocas de chuva. Em 2017, uma pequena precipitação deixava a cidade toda alagada. Em 2018, a situação já melhorou e, esse ano, notamos a confirmação do acerto do nosso trabalho, porque houve um volume de chuva muito superior ao dos anos anteriores e a cidade não alagou como antes”, ressalta.

“Durante as chuvas, houve locais em que o nível de água subiu, mas tão logo parou de chover,  houve o escoamento. Significa que o trabalho foi bem-feito, já que permitiu que o escoamento de água fosse imediato. Nós pegamos um dia com 150 milímetros de chuva e não houve caos na cidade”, completa Sérgio Ferrari. 

A Prefeitura de Aracaju tem priorizado a realização de obras em áreas periféricas, mas sem descuidar das demais. “Estamos com uma obra de fôlego na Atalaia, que é uma região tradicionalmente turística e, depois da pista principal, é totalmente desvalorizada. Nós estamos fazendo a pavimentação de toda a região. Isso vai causar uma mudança econômica também”, analisa Ferrari. 

Com essas ações, o secretário assegura que  a pasta está cumprindo o que foi programado e que as metas colocadas no planejamento estratégico estão seguindo o ritmo esperado de execução. “Para o futuro, ainda dependeremos da captação de recursos, mas para o que havia sido planejado, já conseguimos captar e não temos problemas de execução orçamentária. As obras estão asseguradas”, ressalta.

Ferrari acredita que todas essas intervenções urbanas promovem grande mudança no cenário da cidade. “Quando você faz uma obra de infraestrutura, você muda radicalmente a percepção da população com relação ao lugar em que ela vive. Uma pessoa acostumada a viver com muita lama em época de chuva e com muita poeira em época de sol, por exemplo, tem a rotina toda modificada com essas intervenções”, garante o secretário.

Além disso, as obras estruturantes também acabam valorizando o patrimônio. “Tão logo você acaba de fazer uma obra dessas, você vê as pessoas reformando as casas. Isso mexe com a autoestima delas. E também gera aumento econômico, pois faz girar o motor da economia. É muito gratificante”, avalia. 

Comente: