Sergipe é um dos estados que mais fazem testes para detecção do coronavírus

O estado é o segundo no nordeste e oitavo (8º) no país, segundo levantamento nacional feito pelo Portal G1. A cada 100 mil sergipanos, 272 são testados

Além do isolamento social, uma das ferramentas utilizadas no enfrentamento ao novo coronavírus é a quantidade de testes realizados. Em Sergipe, o governo do Estado tem atuado para ampliar a capacidade de testagem na população, com o objetivo de identificar mais rapidamente pacientes infectados com a Covid- 19, e com isso, coibir a disseminação do vírus. O estado é o segundo do nordeste e oitavo (8º) no país, em realização de testes para diagnosticar o coronavírus.

O levantamento nacional, feito pelo Portal G1 com base em dados das Secretarias Estaduais de Saúde, apontou que a cada 100 mil sergipanos, 272 são testados. As informações se referem aos dias 13 e 14 de maio.

Segundo o último boletim da Secretária de Estado da Saúde, divulgado no sábado (17), já foram processados até o momento, 8.332 amostras, dessas 6.628 tipo RT-PCR e 1.694 por meio de testes rápidos.

De acordo o diretor de Vigilância em Saúde e infectologista da Secretaria de Estado da Saúde, Marco Aurélio Góis, Sergipe é um dos estados que mais tem oferecido os exames, não só para pacientes graves, como também para os que apresentam sintomas leves e moderados. “A gente ampliou bastante a oferta para casos leves e moderados. São casos da doença típica, que deve ser colhido do terceiro ao quinto dia para ter uma maior efetividade. Sergipe tem testado muito, apresenta uma das maiores testagens, proporcionalmente, na região Nordeste. Esse é um dos motivos de estarmos aumentando muito o número de casos positivos e de casos mais leves também. Mas a gente sabe que a nossa luta é ampliarmos o máximo possível a testagem para termos um diagnóstico mais preciso e real”, revelou.

Fruto de compras, doações e repasses, o Estado já adquiriu um total de 87.284 testes, desses 34.000 tipo RT- PCR em Tempo Real, exame que identifica o fragmento do vírus e 53.284 mil testes rápidos, utilizados para diagnosticar infecção através de anticorpos.

Para esses testes rápidos, o público prioritário é composto pelos profissionais da saúde, da segurança e os seus familiares que apresentarem sintomas, além disso, os testes também serão ampliados às pessoas com mais de 60 anos, assim como aquelas com comorbidades, e em casos de investigação epidemiológica. Os testes rápidos são distribuídos aos municípios e para instituições quando há  necessidade.

Lacen

Para realização das análises dos testes, o Estado conta com o Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen), o órgão referencia no diagnostico da Covid-19 em Sergipe. Para agilizar os resultados, o laboratório ampliou o horário de funcionamento e passou a adotar regime de plantão de 24 horas, com capacidade instalada para executar até 864 testes para Covid-19 ao dia e o resultado é liberado em até 48h. Até o momento o Lacen já realizou 6.628 análises de testes tipo RT-PCR.

Para a análise das amostras, o laboratório recebe o material das unidades de saúde que atende o Sistema Único de Saúde (SUS) e dos serviços, público e privado.  Além dos testes específicos para detecção do novo coronavírus, o Lacen analisa também as amostras de casos suspeitos coletados em todo estado e realiza a pesquisa de oito agentes causadores de infecções respiratórias: como Influenza A e B, Metapneuvírus, Adenovírus, Parainfluenza 1,2 e 3. 

Para Marco Aurélio Góis, a testagem é importante para identificar precocemente os casos positivos e isolá-los para evitar a transmissão.  “Além de estar testando nos hospitais e unidade de urgência. Um dos desafios é levar o teste pelo menos de forma amostral, para os municípios mais distantes. Desta forma, a gente tem conversado com secretários de saúde de municípios para que tenham um quantitativo de kits para poderem fazer a coleta do exame e trazer para o laboratório para conseguirmos mapear casos e a situação epidemiológica em todo o estado. Isso de uma forma mais democrática para que todos tenham acesso dentro das especificações, já que reforçamos que os testes precisam ter indicações. A nossa política pública é de colher de sintomáticos, aquelas pessoas que tenham sintomas para que tenham uma chance maior do exame refletir a realidade do está acontecendo”, pontuou. 

Mapeamento

Paralelo a esse trabalho, a Universidade Federal de Sergipe, por meio de um estudo, realizou quase 4 mil testes da covid-19 na população sergipana para identificar pessoas assintomáticas, ou seja, que não apresentam sintomas da doença. A primeira etapa do projeto de testagem foi concluída e atendeu os dez municípios mais populosos do estado. São eles: Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, Lagarto, Itabaiana, São Cristovão, Estância, Tobias Barreto, Itabaianinha, Simão Dias e Glória.

Os dados do estudo só passam a ser contabilizados no registro no Boletim Epidemiológico do novo coronavírus (Covid-19) quando os casos passam a ser notificados à SES. Até o momento, já foram registrados os dados relativos aos municípios São Cristóvão e Itabaiana.

Comente: