Sergipe é um dos estados do Nordeste que mais se destaca na redução da pobreza

Houve uma redução de 71,6% desta parcela da população. Com isso, atualmente apenas 4,2% da população sergipana se encaixa no perfil de extremamente pobres (renda per capita até R$ 70,00)

 

 

Sergipe é um dos estados do Nordeste que mais avançou na redução da pobreza extrema nos últimos dez anos. Este é um dos dados divulgados nesta sexta-feira, 23, pela equipe do Observatório de Sergipe, através do Estudo intitulado Indicadores do Desenvolvimento Sergipano (IDS) que explora a Dimensão “Rendimento, Pobreza e Desigualdade”.

De acordo com o levantamento, desenvolvido pela instituição que é vinculada à Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), houve uma redução de 71,6% desta parcela da população. Com isso, atualmente apenas 4,2% da população sergipana se encaixa no perfil de extremamente pobres (renda per capita até R$ 70,00). Com esse índice, Sergipe se destacada como o terceiro do Nordeste, sendo superado apenas pelo Rio Grande do Norte (3,9%) e Piauí (4,1%).

Outro dado que chama atenção na pesquisa é que, nos últimos dez anos, o rendimento médio domiciliar per capita do sergipano cresceu 73,58%, alcançando o valor de R$702,26, o quarto maior do Nordeste. Vale destacar ainda que Sergipe encontra-se em quarto lugar no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Região Nordeste, apresentando um resultado de 0,665. Com este índice, o Estado ficou atrás apenas de Rio Grande do Norte (0,684), Ceará (0,682) e Pernambuco (0,673). No período 2000-2010, o IDH de Sergipe cresceu 28,4%.

“O estudo também traz dados bastante relevantes baseados no Índice de Gini, que ajuda a medir a desigualdade, sobre o Índice de Desenvolvimento Humano e sobre o índice FIRJAN de desenvolvimento, dentre outros” – afirmou o coordenador do Observatório de Sergipe, Ciro Brasil.

O estudo completo pode ser visto aqui.

Estudos anteriores

As duas primeiras publicações do IDS foram sobre “Demografia e Saúde” e “Acesso a Bens e Serviços” e podem ser acessadas aqui.

 

Comente: