Governo lança plano de combate à Microcefalia em Sergipe

O Governo de Sergipe apresentou na manhã desta terça-feira, 1º, um plano de combate à Microcefalia e de atendimento aos pacientes acometidos pela doença. O ato foi comandado pelo governador Jackson Barreto, no Palácio dos Despachos, e contou com a participação de representantes do Ministério Público, secretários municipais de saúde, prefeitos e técnicos de saúde. Ficou acertado a criação de um grupo de trabalho de enfrentamento dos casos de microcefalia em Sergipe, publicação de protocolo clínico para orientação dos profissionais de saúde, acompanhamento dos casos  e elaboração de informes semanais.

A campanha coletiva tem como principal foco o combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya e o Zika Vírus, que é o causador da doença. Durante a solenidade, o governador Jackson Barreto convocou toda a sociedade sergipana para combater o mosquito, por ser o grande causador dos casos de microcefalia. “Não existe fronteira política, partidária ou ideológica. Estado e prefeituras têm que estar unidos no combate a essa endemia. O que está em jogo é a saúde do nosso povo”, afirmou Jackson, acrescentando que Sergipe é o segundo estado do país que declarou Situação de Emergência em Saúde Pública ao divulgar, na última segunda-feira, 30.

Jackson destacou que desde o dia 28 de outubro a equipe da Secretaria de Estado da Saúde está debruçada sobre o problema, quando a vigilância epidemiológica recebeu da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes informações sobre evidências de aumento de casos de microcefalia.
“Temos que ter responsabilidade, travar uma verdadeira guerra contra este mosquito, pois o que está em jogo são as futuras gerações”, reforçou o governador ao anunciar que as Secretarias de Estado da Educação e da Inclusão Social também estarão engajadas na campanha.

Ele disse ainda que o Ministério da Saúde já anunciou que vai liberar recursos para os estados e municípios poderem trabalhar no combate ao mosquito, mas ainda não foi definido os valores para cada um. “Cada ente fazendo a sua parte, vamos sair vitoriosos dessa guerra”, acentuou.

O procurador Geral do Ministério Público, promotor Ronney Almeida, elogiou a iniciativa do Governo de Sergipe de sair na frente no combate ao mosquito transmissor da Zika Vírus.

“O governo está correto ao fazer esse plano de combate ao mosquito e quero declarar que somos parceiros e colaboradores. O Ministério Público é independente, mas é um órgão de Estado. Temos que participar da construção das políticas públicas que venham em benefício da população”, ressaltou Ronney Almeida, conclamando as prefeituras municipais e unidades de saúde a colaborarem no sentido de efetuar a notificação dos casos para que os órgãos de combate possam atuar com mais eficiência onde a incidência da doença esteja maior.

O presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde, Saulo Eloy, afirmou que a sociedade tem que estar mobilizada para que a campanha tenha sucesso. “O acesso à informação de como se combater este mosquito será o divisor de águas”, defendeu.

“O Estado está trazendo um norte para o nosso trabalho, está comprometido com essa construção plural. Precisamos sensibilizar todos os prefeitos para se engajarem nesta luta. Estamos enfrentando um problema de saúde pública que pode comprometer toda uma geração”, avaliou.

Microcefalia

A Microcefalia é uma má formação congênita em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Os bebês nascem com perímetro cefálico menor que o normal, que habitualmente é superior a 33 cm. A doença não tem cura e a criança tem problemas de desenvolvimento.

Em Sergipe, já foram diagnosticados 78 casos de microcefalia em 32 municípios. No país os números são ainda mais alarmantes: 1.248 casos em 311 municípios de 13 estados e no Distrito Federal. Em 2014, foram notificados 147 casos no país. O crescimento entre o ano passado e este ano foi de 749%.

Portaria   

Acompanhando o Ministério da Saúde, o governador Jackson Barreto baixou uma portaria na última segunda-feira, 30, declarando Situação de Emergência em Saúde Pública em Sergipe por força do registro de incidência de casos de microcefalia no estado. O MS baixou portaria neste sentido no dia 12 de novembro, declarando Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional por alteração do padrão de ocorrência da doença no Brasil.

A portaria estadual, que foi apresentada pelo secretário da Saúde, José Macedo Sobral no ato da reunião, especifica as ações a serem empreendidas em Sergipe para combater o Aedes aegypti e monitorar os casos de microcefalia. Sobral também fez um panorama do crescimento da doença no estado e no país, as ações que estão sendo empreendidas pelo governo para combater o mal e as providências que já foram tomadas.

De acordo com Sobral, será criado um grupo de trabalho de enfrentamento dos casos composto por equipe técnico-científica, consultiva, multiprofissional e interinstitucional, congregando instituições da sociedade civil organizada e governamental. Também será elaborado e publicado protocolo clínico e epidemiológico para orientação dos profissionais das maternidades e unidades de referência que servirá de base para todas as demais redes de assistências, sejam públicas ou privadas, atuantes na área materno infantil.

Ele disse que a portaria ainda estabelece que o Estado vai acompanhar e apoiar a investigação epidemiológica, em parceria com os municípios, Ministério da Saúde e instituições de pesquisa em busca da identificação das possíveis causas do aumento de casos de Microcefalia. No momento encontra-se em Sergipe uma equipe do Ministério da Saúde acompanhando e investigando os casos.

Também está estabelecido que será definido o fluxo de atendimento, diagnóstico, vigilância e acompanhamento dos recém-nascidos com microcefalia.

 Combate

O secretário da Saúde afirmou que para combater o mosquito o governo criou a Brigada Estadual e já está com 17 carros fumacê à disposição para aplicação de UBV nos municípios em estado de alerta e com alto risco de infestação pelo mosquito. Também serão capacitados os agentes de endemias e coordenadores de vigilância em saúde dos municípios para combater as endemias e reduzir as subnotificações.

Ele disse que o Laboratório Central (Lacen) fará busca ativa, realizando coletas tempestivas em municípios suspeitos de infestação, a fim de comprovar a presença das principais arboviroses e com isso aumentar a notificação e possibilitar um melhor planejamento. O Lacem também vai fazer os testes de detecção do vírus Zika para acelerar o diagnóstico. Para tanto, uma equipe sergipana já está sendo treinada no Instituto Evandro Chagas, no Pará.

Campanha

Para o sucesso do combate do mosquito, o secretário afirmou que é preciso a participação da sociedade nessa cruzada. Para tanto, será realizada uma grande campanha de prevenção com alerta à população com distribuição de kits com material educativo. Esse material será encaminhado pelo MS para os estados.

“A prevenção é a única arma contra a doença. Precisamos da colaboração de todos. As ações de combate se darão no território municipal, portanto, é importante o engajamento das prefeituras fazendo a sua parte. Com diz a campanha do Ministério da Saúde que vai ao ar: como o mosquito da dengue pode matar, ele não pode nascer”, concluiu.

Presenças

Acompanharam o lançamento do plano de combate à microcefalia os promotores de Saúde, Nilzir Soares, Fábio Viegas e Antônio Fortes; secretário de Saúde de Aracaju, Luciano Paz; os prefeitos de Arauá, Ana Helena; Itaporanga, Gracinha Sobral, Ribeirópolis, João Francisco da Cunha, Canindé, Heleno Silva; o reitor da Universidade Federal de Sergipe, Angelo Antoniolli; o diretor da Deso, Carlos Melo, o secretário de Estado de Comunicação Social, Sales Neto e a assessora especial, Eliane Aquino.

Comente: