Governo conclui adutora Sertaneja

aduO Governo do Estado está investindo R$ 189.878.631,95 milhões para garantir o acesso à água a um número, cada vez maior, de sergipanos. Os investimentos, oriundos de parcerias com o Governo Federal, possibilitarão maior segurança hídrica a mais de 1 milhão de sergipanos beneficiados a partir da implantação da adutora do Poxim (Grande Aracaju) e ampliação das adutoras do Alto Sertão (Ribeirópolis, Moita Bonita, Nossa Senhora Aparecida, São Miguel do Aleixo e Nossa Senhora da Glória) e Sertaneja (Aquidabã e Canhoba), além da duplicação sistema de abastecimento de água de Umbaúba, Tomar do Geru e Itabaianinha.

Nova Adutora da Barragem do  Poxim

Em maio deste ano, o Governo do Estado autorizou ordem de serviço para construção da adutora ligando a barragem do Poxim à estação de tratamento do Poxim. A obra vai proporcionar a ligação da barragem Jaime Umbelino de Souza (barragem do rio Poxim) à estação de tratamento do Poxim, localizada próximo ao campus da UFS, em São Cristóvão.

A implantação da adutora corresponde a um investimento total de R$ 36.475.259,15, e vai garantir o abastecimento de água para Grande Aracaju pelos próximos 30 anos, beneficiando uma população estimada de 700 mil habitantes. Outro objetivo da nova adutora é promover a ligação futura da barragem do Poxim à estação de tratamento do São Francisco. A manobra proporcionará que, em caso de emergência, a Grande Aracaju não fique desabastecida. Com início imediato da construção, a obra tem previsão de entrega de 18 meses.

De acordo com o diretor-presidente da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), Carlos Melo, os sistemas Poxim e São Francisco são totalmente independentes, mas, após o problema ocorrido em Pedra Branca, pensou-se na possibilidade de fazer uma interligação entre eles.
“Juntos, esses sistemas se somam para conseguir abastecer a Grande Aracaju nos próximos 30 anos”, complementou, acrescentando que a construção da nova adutora já estava planejada e com material disponível.

A obra da nova adutora inicia a partir da barragem do Poxim-Açu, já implantada e inaugurada em 2013. Computadas as duas etapas investe-se um valor superior a R$ 120 milhões no complexo da barragem do rio Poxim.

Sul Sergipano

No Sul de Sergipe, desde junho de 2014, a conclusão de uma das etapas do novo sistema integrado de abastecimento de água das cidades de Umbaúba, Itabaianinha e Tomar do Geru já garante um aumento de 180% do abastecimento na cidade de Itabaianinha, que por mais de 20 anos sofria com a falta de água.

“Os resultados desta grande obra já são percebidos em Itabaianinha, pois já entrou em funcionamento uma parte da obra que, no momento, assegura uma vazão de 140 litros por segundo, graças à tubulação de maior dimensão, 400 milímetros, e a troca das bombas da Estação Elevatória Intermediária”, explica o engenheiro da Deso que gerencia a obra de construção da ETA em Umbaúba, Hunald de Carvalho Júnior.

Segundo o engenheiro, antes a vazão para este município do Sul sergipano era de apenas 50 litros por segundo e de forma irregular, uma vez que as tubulações antigas quebravam muito.
Com um investimento total de R$ 69 milhões, a construção dessa nova adutora beneficiará uma população estimada de 80 mil pessoas que sofriam constantemente pela precariedade da oferta de água na região. O investimento é fruto de uma parceria com o Governo Federal (Ministério da Integração Nacional, a partir da segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento voltado às obras de combate à seca (PAC Seca), e está sendo executada pela Companhia de Saneamento de Sergipe – Deso.

Ao todo, são 81 quilômetros de extensão, iniciando com um sistema de captação no riacho Guararema, em Umbaúba, a construção da Estação de Tratamento de Água (ETA), que se encontra com cerca de 40% de suas obras concluídas, a implantação de 13 reservatórios, a construção de mais cinco, a reforma de quatro estações elevatórias e a ampliação e instalação de 102 km de rede de distribuição.

“Muito se tem feito no esforço de ampliar a oferta de água de qualidade para os sergipanos, mas o grande diferencial desta obra é justamente o seu alcance social. O fato de se resolver um problema de décadas para uma população carente poder ter acesso a esse bem precioso. Para quem nasceu contando com esse serviço, pode parecer simples. Mas para quem só o alcança agora, esse é um dos maiores sonhos da vida”, enfatiza Hunald de Carvalho.

Confirmando o que disse o técnico da Deso, o depoimento de um homem simples, e que passou boa parte da vida sem esse serviço, dá a dimensão desse alcance. “Nós aqui, antigamente, já chegamos a percorrer até duas léguas [12 km] em busca de água para nós e para os animais. Era um grande sofrimento. Até bem pouco tempo, era costume passar até 15 dias sem água por aqui, e quando ela chegava por algumas horas era motivo de comemoração. Hoje nós estamos no “céu”, é só abrir a torneirinha que ela cai a qualquer hora do dia e até nos finais de semana!”, comemora o senhor José Araújo do Nascimento, do município de Itabaianinha.

Em Itabaianinha, além da sede, serão contemplados os povoados Patioba, Pedra da Égua, Vermelho, Saco da Rainha, Montalvão, Curralinho, Jardim, Poxica, Ilha e Matadouro. Em Umbaúba, além da sede do município, a nova adutora levará água aos povoados Queimada Grande, Assentamento, Estiva, Matinha, Matadouro, Macaquinho, Limoeiro e Tauá.

Já em Tomar do Geru, a sede do município será beneficiada, bem como os povoados Entroncamento, Tabuleiro e Campo Grande, que foi incluído graças a um esforço maior da administração estadual para incluir também esta localidade. Esse é mais um investimento que integra o grande esforço realizado pelo Governo do Estado nos últimos sete anos, onde foram investidos mais de R$ 1 bilhão para ampliação das redes de distribuição de água em todo o estado.

Adutora do Alto Sertão

Segundo o engenheiro da Deso, Hunald de Carvalho,a ampliação do Sistema Integrado do Alto Sertão encontra-se com 60% das suas obras concluídas. Mais de R$ 74 milhões estão sendo investidos para duplicação da adutora que atende aos municípios de Nossa Senhora da Aparecida, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora das Dores (povoados) e São Miguel do Aleixo. Além disso, Ribeirópolis e Moita Bonita serão atendidos, pela primeira vez, por um sistema integrado de abastecimento.

Com extensão total de 75 km, a obra conta ainda com estruturas complementares como: subadutoras, estações elevatórias, centro de reservação e 125 km de rede de distribuição.

Adutora Sertaneja

Já finalizada e em fase de teste, a adutora Sertaneja irá beneficiar aproximadamente 38 mil pessoas na região de Aquidabã, a 92 km da capital. O engenheiro Gabriel Campos conta que a adutora sertaneja foi implantada na década de 70 e só no inicio da década de 80 foi construída uma torre para ser distribuída outras regiões vizinhas. “Com o passar dos anos, a adutora que abastece a região já mostrava sinais de que estava sobrecarregada, ou seja, a capacidade de vazão não estava atendendo o aumento da população local. Daí surgiu a necessidade de duplicá-la para atender a crescente população da região”.

Desde maio, deste ano, a sede de Aquidabã já está sendo beneficiada pela obra. Após a fase de teste serão beneficiados, também, os povoados Oiteiro Alto, Frutuoso, Mamoeiro, Coité, Santa Teresinha, Caraíbas, Papel dos Dias, Pau Alto e Pedras.

Assim como as adutoras do Alto Sertão e do Sul Sergipano, as obra da adutora Sertaneja está incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC– Prevenção Seca). A Sertaneja contou comum investimento total de R$ 9.973.372,80, contemplando a instalação de uma adutora de 24.240 metros de tubos de ferrofundido de 250 mm de diâmetro.

“A obra foi concluída em abril deste anoe permaneceu em teste até junho. A obra é fundamental para garantir a regularização do abastecimento de diversas comunidades dos municípios de Canhoba e principalmente de Aquidabã, que antes eram atendidas por uma adutora construída há mais de trinta anos e que já não tinha condiçõesde, sozinha, atender à população local, pois já operava acima de sua capacidade nominal.  Com a duplicação desta adutora, não será mais necessário o uso de manobras para distribuir água para alguns locais enquanto outros permanecem desabastecidos.  Todos receberão água simultaneamente e de forma perene”, reforça Gabriel Campos.

De acordo com o engenheiro, a duplicação da adutora incrementará a vazão da região em 78 litros por segundo, sendo que a água é captada do Rio São Francisco.  Ainda segundo Campos, durante a obra foram gerados aproximadamente 25 empregos diretos e mais 75 empregos indiretos na região.A adução se dá no Povoado Mata, em Itabi.

Comente: