Polícia desvenda crime à emissora de rádio e identifica os cinco suspeitos

Um dos suspeitos, identificado como I.  V.  S.  L. , 19 anos, foi preso.

 

Após um intenso trabalho de investigação realizada pela Coordenadoria de Polícia Civil da Capital (Copcal), foi elucidado o crime à emissora de rádio 103 FM ocorrido na noite do último sábado, 10, na região do Alto da Jaqueira, em Aracaju. Um dos suspeitos, identificado como I. V.  S.  L. , 19 anos, já está preso. Os outros quatro participantes já foram identificados e estão sendo procurados.

Em entrevista coletiva realizada na manhã desta terça-feira, 13, na Secretaria de Segurança Pública, o delegado-geral da Polícia Civil, Alessandro Vieira, e coordenador da Copcal, delegado André Baronto, detalharam as investigações que culminaram na identificação do grupo criminoso e prisão de um dos integrantes.

Desde o momento do crime, nossas equipes, em apoio com policiais militares que fizeram diligências pela localidade, se deslocaram até o local para fazer o levantamento do ocorrido. Com o início das investigações e divulgação das imagens dos suspeitos, começamos a receber diversas informações via Disque Denúncia que indicavam a identificação dos suspeitos. A partir daí, enviamos as representações para o juiz de plantão que concedeu os mandados de prisão dos cinco suspeitos, sendo um deles capturado na noite de ontem. Os demais continuam foragidos”, explicou André Baronto.

Segundo André Baronto, Igor teria sido preso e prestado depoimento à polícia na companhia da mãe. “Ele contou com riqueza de detalhes como aconteceu o crime, desde a entrada até a saída da emissora. Esse depoimento ajudou na confirmação da identificação dos demais participantes da ação”, afirmou.

Além de Igor, fazem parte da associação criminosa: M. A.  dos S.  F. , mais conhecido como “Quiquinho”; J.  F.  dos Santos, vulgo “Dado”, 20 anos; G. A. dos S. , mais conhecido como “Mamãe”, 20 anos; e T.  A.  S. A Polícia investiga ainda a participação de um sexto indivíduo que estaria envolvido na cena do crime. “Conseguimos identificar, por meio do circuito externo de câmeras da emissora, a presença de um outro suspeito que estaria do lado de fora da rádio, dando cobertura ao grupo. Nosso trabalho agora consiste na identificação e localização não apenas desse suspeito, como de todo o grupo criminoso”, ressaltou o delegado-geral.

Ainda segundo Alessandro Vieira, “esperamos até o final do dia ter mais novidades em relação à recuperação de patrimônio, além da prisão dos demais integrantes da associação”.

Comente: