Polícia Civil deflagra operação para prender envolvidos em crimes de tráfico de drogas, roubos e homicídios na zona sul de Aracaju

Ao total, dez pessoas foram presas e duas morreram em confronto. Drogas e armas de fogo também foram apreendidas

A Polícia Civil, por meio do Complexo de Operações Policiais Especiais (COPE), deflagrou nas primeiras horas da manhã desta terça-feira, 05, uma operação visando dar cumprimento a mandados de prisão e de busca e apreensão relacionados a crimes de tráfico de drogas, roubos e homicídios na zona sul de Aracaju. A ação ocorreu em uma localidade conhecida como Vila do Cemitério no Bairro Atalaia.

Um total de 60 policiais civis participaram da operação no cumprimento de 22 mandados, sendo 11 de prisão e 11 de busca e apreensão. O efetivo foi composto por agentes da Coordenadoria de Polícia Civil da Capital (Copcal), Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Copci), Divisão de Inteligência (Dipol), Grupo Especial de Repressão e Busca (GERB) e Divisão de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV).

A investigação, conduzida pela delegada Mayra Moinhos, com o apoio de agentes da Divisão de Inteligência da Polícia Civil (Dipol), durou cerca de um ano, após verificação de varias denúncias de crimes relacionados ao tráfico de drogas na localidade.

Ao total, dez pessoas foram presas e duas morreram em confronto, identificado como Luís Carlos Reis Filho, 32ano, um dos líderes da organização criminosa; e Israel César Nogueira dos Santos, 34, acusado de cometer um homicídio ocorrido no dia 25 de setembro deste ano no bairro Atalaia. Os policiais apreenderam drogas e armas de fogo, entre elas uma arma longa de grosso calibre.

Foram presos: Kadine Prata de Souza, 30 anos; Saulo de Jesus Reis, 35 anos; Diogo da Conceição Santos, 29 anos; Afonso Santos Barros, 50 anos; Paulo Vinicius Silva Santos, vulgo “Babu”, 27 anos; Tiago Barros Santana, vulgo “Titi’,  33 anos; Carlos Felipe Oliveira Rios, 30 anos; Ingrid Kelli Brito dos Santos, 26 anos; Adriana Ferreira do Carmo, vulgo “Vudu”, 42 anos; e Elvis Alves da Cruz, vulgo “Ninho”, 38 anos.

Ainda de acordo com a delegada Mayra Moinhos, as investigações continuam no intuito de identificar e efetuar a prisão de outros envolvidos,  “haja vista que algumas delas utilizavam o tráfico de drogas como um manual de sobrevivência”.

Comente: