Só este ano, 71 pessoas morreram nas estradas que cortam o Estado de Sergipe.  Elas foram vitimadas nos mais de 200 acidentes registrados de janeiro até a última segunda-feira (30), segundo informações do Batalhão da Polícia Rodoviária Estadual (BPRv). “Infelizmente, essas pessoas são vítimas do Estado que, de forma negligente, deixa as estradas sergipanas em péssimas condições”, disse Maria, ao destacar que, na semana passada, mesmo com ressalvas, deu um voto de confiança ao Governo na expectativa de que ele use os R$ 560 milhões do Programa de Financiamento de Infraestrutura e Saneamento para investir nas estradas, conforme justificou.

“Passei todo o tempo cobrando melhoria das rodovias porque, diariamente vou da minha casa, em Itabaiana, até Aracaju. Além disso, por mais de uma vez na semana, desloco-me a várias partes do Estado e percebo quão delicada é a situação das nossas estradas. Vejo o desespero de famílias que perdem os seus entes queridos em acidentes horríveis em decorrência da falta de planejamento do Governo”, disse a deputada, ressaltando esperar que o governador Jackson Barreto, de fato, use esse crédito de R$ 560 milhões, que ele vai pegar junto à Caixa Econômica Federal para fazer o que tem que ser feito.

Ao reafirmar a sua decisão de votar no pedido de financiamento, a parlamentar disse que “não poderia ser insensível à dor de tantos sergipanos que perderam seus familiares pela falta de investimentos na manutenção das nossas estradas. Votei com a minha consciência, como sempre faço, por considerar que, neste caso, ser contra esse projeto seria inviabilizar uma medida que pode evitar que outros motoristas tenham sua segurança comprometida”.

RELATOS DOLOROSOS

De acordo com Maria, não são raros os relatos de quem já se envolveu ou presenciou algum sinistro. “Os dados do BRPv indicam uma média de mais de quatro acidentes por semana. Além dos buracos, algumas dessas estradas não têm sinalização adequada e nem acostamento, agravando, ainda mais, as condições de tráfego”, citou, apontando o exemplo da Rodovia João Paulo II, que liga Itabaiana aos municípios de Campo do Brito e Lagarto. “As pessoas que precisam transitar por ela, acabam se expondo a riscos de morte e essa situação precisa mudar”, afirmou, ressaltando que em 2001, já tratava do assunto com o então governador Marcelo Déda (in memoriam).

“A Assembleia Legislativa é a caixa de ressonância dos anseios da nossa população. Como parlamentar, eleita pelo voto democrático, sempre cumprirei o meu papel de cobrar uma solução para os problemas que afetam o nosso povo. Agora, depois de tantas cobranças que fiz, não poderia me negar de votar para que aquilo que venho reclamando há anos, seja resolvido e a população, de fato, possa ter mais tranquilidade”, concluiu Maria Mendonça.