“Vazamento de mensagens tem o intuito de encobrir o maior escândalo de corrupção do Brasil”, afirma Armando Batalha Júnior

Em um discurso técnico, o vereador Armando Batalha Júnior (Cidadania) usou a Tribuna da Câmara Municipal de Aracaju para se manifestar sobre o vazamento de mensagens entre o ex-juiz Sérgio Moro e os procuradores federais da operação Lava-Jato, que resultou na prisão de vários políticos, incluindo o ex-presidente Lula. Para o parlamentar, que também é advogado criminal, o conteúdo das mensagens não apaga a exitosa operação de combate à corrupção no Brasil. “Foi o maior escândalo já visto na política nacional!”, definiu o vereador.

Armando Batalha Júnior decidiu falar sobre o tema após os esclarecimentos de Sérgio Moro no Senado Federal. “Desde o vazamento das mensagens até hoje procurei fazer uma interpretação imparcial acerca da operação Laja-Jato. Como advogado e professor universitário, acredito que a forma como se deu a obtenção das mensagens juntos aos telefones das autoridades judiciárias incorre num atentado à democracia brasileira”, observou.

Segundo o parlamentar, Estado Democrático de Direito e as instituições sofreram um verdadeiro ataque criminoso de hackers por meio de aplicativos de celular. “Terrorismo digital custa caro, como toda máfia requer logística e pessoal treinado. Por isso, esse episódio demonstra que nossa democracia está sendo devastada”, desabafou.

Armando Batalha Júnior fez questão de enaltecer o trabalho realizado pelo poder judiciário de Curitiba-PR. Disse ainda que a Lava-Jato foi a maior operação de combate ao crime de corrupção no país e que os envolvidos estão presos após o julgamento em duas instâncias. “Sergio Moro condenou em primeiro grau e os desembargadores do TRF-4 Região mantiveram a decisão. Por isso, o que tinha que ser provado nos autos já aconteceu. Agora, não adianta buscar meios ilícitos para induzir o povo brasileiro a outra interpretação”, ponderou.

Diante do atual cenário político, o vereador de Aracaju acrescentou que o poder judiciário não pode, não deve e não há de se agachar frente aos ataques de hackers.

por Guilherme Fraga, Assessoria de Imprensa do parlamentar

Comente: