O deputado Moritos Matos (Rede) tem feitos diversos pronunciamentos sobre o Movimento S.O.S Emprego e a luta deles para conseguir uma vaga de trabalho na construção da Usina Termoelétrica, localizada no município de Barra dos Coqueiros. E nesta terça-feira, 13, na Assembleia Legislativa de Sergipe – Alese – durante audiência Pública com a presença de representantes do consórcio que realiza a obra na Barra, o deputado Matos solicitou aparte para questionar os números das contratações feitas pelas empresas “Eles alegam que atualmente a obra possui 1900 trabalhadores e que deste número 1100 são sergipanos. Mas de uma lista de 460 pessoas do S.O.S só duas pessoas foram chamadas. Eu prefiro continuar acreditando no sergipano e no que os trabalhadores estão dizendo de que não estão sendo priorizados trabalhadores locais. Não estou chamando-o de mentirosos, mas sergipano conhece sergipano”, enfatiza Matos.

De acordo com o parlamentar, este ano ainda não aconteceu um ato do S.O.S Emprego no sentido de paralisar as atividades da obra porque os deputados pediram que eles fossem para o diálogo. “Não aconteceu uma paralisação porque nos bastidores nos trabalhamos para que isso não acontecesse. Caso tivéssemos dado o aval teria acontecido, essa é uma das verdades”, revela Moritos Matos. O deputado acrescenta que durante reunião com o vice-governador Belivaldo Chagas, o deputado Georgeo Passos, vereadora Salete da Barra, representantes das empresas e do S.O.S Emprego ficou definido que uma comissão analisaria os documentos para verificar a origem desses trabalhadores. “Ficou pré-acordado que se daria uma prioridade para o Movimento S.O.S, daria prioridade aos trabalhadores de Sergipe, levando em consideração a qualificação deles. E que a partir de janeiro as contratações de sergipanos aconteceriam, mas a realidade é diferente”, relata Matos.

Segundo o deputado, basta verificar a carteira de trabalho para saber se de fato os trabalhadores contratados são de Sergipe. “Porque a empresa apresentou a comissão os dados dos trabalhadores e muitos deles possuem título de eleitor recente, identidade recente, mas com naturalidade de outro Estado. Por isso, na minha opinião esses documentos não servem como comprovação de nada, o que pode comprovar mesmo é a questão da carteira, um dos pontos que devem ser analisados”, ressalta o deputado.

MÃO DE OBRA QUALIFICADA

Matos acrescenta que os profissionais sergipanos possuem experiência comprovada na carteira de trabalho. “Alguns já atuaram em obras dessas empresas em outros Estados. Tem trabalhador do S.O.S Emprego com experiência de mais de 15 anos na carteira. O Será que esses trabalhadores não tem qualificação para assumir uma vaga na empresa?’, questiona Matos.

O parlamentar também disse durante pronunciamento na Alese que a empresa coloque em prática o que ficou estabelecido em contrato. “Eu peço que a empresa priorize de fato os trabalhadores sergipanos. E eu não tenho medo de enfrentar a situação, eu estou defendendo algo que é minha obrigação. Entendo que a obra trará benefícios para o Estado e para o povo, mas ela também causa prejuízos na questão ambiental. Por isso, o mínimo que pode ser feito, o justo a ser feito é priorizar a contratação de mão de obra local, é ter 85% de sergipanos na obra, mas infelizmente isso não tem acontecido”, lamenta o parlamentar.

Moritos Matos espera que depois dessa audiência as coisas mudem. “Não sou de guerra, mas como dizia meu pai ‘dou um boi para não entrar em uma briga e uma boiada para não sair’. Para defender os trabalhadores sergipanos eu não vou dar um boi, vou dar a minha vida para defender, porque como eu digo, o homem pode até tocar na vida do ser humano, mas no meu espírito só quem toma conta é papai do céu. Vou lutar para que a justiça seja feita, que as empresas cumpram o contrato”, afirma o deputado.

Foto: Jadilson Simões

Por Assessoria Parlamentar