Unicef e Governo realizam 7º Ciclo de Capacitação do Selo Unicef Município Aprovado

Nesta terça-feira, 15, representantes dos 20 municípios sergipanos que chegaram à última etapa da Edição 2013-2016 do Selo Unicef Município Aprovado participaram do seu 7° Ciclo de Capacitação. No encontro, foram debatidas as ações que serão desencadeadas para a implementação de combate ao mosquito Aedes Aegypti, visando à prevenção dos casos de dengue, chikungunya e zika, ações que visem promover o acesso à água de qualidade, melhorar a situação das cozinhas nas escolas e o acesso a banheiros masculinos e femininos. Além de traçar os encaminhamentos para a realização do 2° Fórum Comunitário.

“Ao longo desta edição foram planejados sete ciclos de formação. Este é o último encontro e o pontapé para que possamos apoiar os municípios na realização do 2° Fórum Comunitário, que é considerado o ápice desta Edição, pois será o momento dos gestores e articuladores mostrarem tudo o que foi implementado pelo município nos últimos três anos para a melhoria da qualidade de vida das crianças e adolescentes”, explicou Joilda Aquino, coordenadora estadual do Selo Unicef e membro do Centro Dom José Brandão de Castro.

Acompanhando o evento, a coordenadora do Comitê Estadual do Pacto Um Mundo Para a Criança e o Adolescente e assessoria especial do Governo de Sergipe, Eliane Aquino, ressaltou a disponibilidade do Estado em apoiar os municípios e frisou a importância dos adolescentes nas atividades do Selo. “Sabemos das dificuldades enfrentadas por todos os municípios, mas sabemos principalmente que as 20 cidades que chegaram até aqui, dentre as 36 que se inscreveram inicialmente, realizaram ações que têm provocado mudanças significativas na vida das crianças e adolescentes”.

Eliane aproveitou ainda para incentivar os municípios a fortalecerem as atividades junto aos adolescentes, que podem se transformar em importantes multiplicadores da promoção de direitos. “Nós temos que empoderar esses meninos e meninas para que eles possam acompanhar as políticas públicas que estão sendo desenvolvidas, para que possam ter voz e para que sejam bons críticos no sentido de ajudarem a consolidação de políticas sociais que promovam a real inclusão e não apenas ações assistencialistas.”

Um exemplo é o jovem Wilmarques Santos, que participou nas duas primeiras edições do Selo Unicef, ainda como adolescente, e hoje encara sua terceira edição sendo o articulador do Selo Unicef no município de Itabaiana. A cidade já ganhou o título duas vezes e busca sua terceira certificação. “Através do Selo Unicef é feita uma provocação em que os municípios são desafiados a realizarem ações estratégicas inovadoras. Nesta edição do Selo, por exemplo, ocorreram a Semana do Bebê, o debate sobre o Plano da Primeira Infância, o Plano de Esporte e Educação, o desenvolvimento do Núcleo de Cidadania dos Adolescentes, dentre outras ações que realmente impactam diretamente na rotina do município. O Selo provoca uma gestão com foco em resultados a curto, médio e longo prazo e possibilita ao município planejar e acompanhar metas com um olhar diferenciado em relação às políticas públicas voltadas para a criança e o adolescente”, afirmou.
Combate ao Aedes Aegypti

O Unicef também entrou fortemente na mobilização contra o Aedes e decidiu incluir a realização de atividades que enfrentem a disseminação do mosquito entre as ações estratégicas que os municípios devem desenvolver para pontuarem no Selo Unicef. “Foram apresentadas 27 ações estratégicas que os municípios deveriam desenvolver para a obtenção do Selo, sendo que é obrigatória a comprovação da realização bem sucedida de ações em, pelo menos, 19 áreas. A ação contra o Aedes não é obrigatória, mas também renderá pontuação e podem ser um diferencial para o alcance da certificação”, explicou a oficial do Unicef, Valderez Aragão.

Para apoiar a iniciativa, o Governo do Estado levou ao encontro a gerente do Núcleo de Endemias da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde, Sidney Sá, para a realização de uma palestra. Dentre os temas abordados, a gerente destacou que é imprescindível que os municípios fortaleçam suas mobilizações contra a proliferação do Aedes, pois os dados no estado ainda preocupam. “Somente em 2016, de acordo com os dados computados até o último dia 11, Sergipe já possui 2.086 casos de dengue notificados, 1.071 amostras referentes à contaminação do vírus Zika encaminhadas para análise e 44 casos de microcefalia confirmados”, disse.

Todas as atividades realizadas pelos municípios para obterem o Selo Unicef deverão ser comprovadas pelos gestores até o próximo dia 31 de março. A exceção é para as atividades de combate ao Aedes. Nesse caso, o Unicef estendeu o prazo até o dia 31 de julho.

O evento ocorreu no Espaço Salão de Festas, localizado na Rua Laranjeiras, 830, no Centro de Aracaju.

Comente: