Profissionais do ‘Mais Médicos’ são capacitados em Saúde Mental

A capacitação terá mais duas turmas de outros municípios nos dias 21 e 28 de julho, envolvendo cerca de 95 médicos que atuam nos 75 municípios sergipanos na Atenção Básica

Nesta quinta-feira, 14, profissionais do programa ‘Mais Médicos’ participaram da capacitação em Saúde Mental, no auditório da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), com o objetivo de ampliar os conhecimentos na Assistência aos Pacientes com Sofrimentos e Transtornos Mentais. Com o tema ‘Atualização em Farmacologia e Manejo para Cuidado aos Usuários do Crack e Outras Drogas, Sofrimentos e Transtornos Mentais para Médicos das Equipes de Saúde da Família (ESFs) do Estado de Sergipe’, a capacitação terá mais duas turmas de outros municípios nos dias 21 e 28 de julho, envolvendo cerca de 95 médicos que atuam nos 75 municípios sergipanos na Atenção Básica.

Durante todo o dia, foram debatidos vários temas envolvendo a Saúde Mental como: Transtornos Mentais, Casos Clínicos, Farmacologia, Esquizofrenia, Transtorno Bipolar, Depressão e Transtorno de Ansiedade.

A abertura do evento foi realizada pela representante do Ministério da Saúde em Sergipe, Katiene da Costa Fontes, que falou dos três anos do programa ‘Mais Médicos’ no país, especialmente Sergipe, que é considerado referência nacional nos serviços.

“Sergipe conta com 674 equipes do Programa, que tem como principal eixo a infraestrutura e a formação voltada para as capacitações, com grandes cursos nas universidades e também nas residências médicas, além da luta constante para as reformas sanitária e psiquiátrica. A Atenção Básica é a responsável por toda estratégia”, disse Katiene Fontes.
Para o diretor-geral da Funesa, Adriel Alcântara, “o serviço do programa ‘Mais Médicos’ veio para enriquecer os trabalhos desenvolvidos nas Unidades de Saúde da capital e do interior sergipano. É muito importante prestar um serviço de qualidade aos usuários, que são o foco das ações desenvolvidas na Saúde do Estado”.

Assistência

Para a coordenadora da Atenção Psicossocial da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Sony Petris, esses debates com os médicos têm como foco atualizá-los no cuidado às pessoas com sofrimentos e transtornos mentais que são atendidas diariamente nas Unidades de Saúde da capital e interior do Estado. “São 75 municípios convidados a participar dessa capacitação importante com elevação de grandes demandas nessa área. Precisamos garantir a integralidade da Rede de Saúde e aprimorar o acesso das pessoas nos cuidados e serviços”, enfatizou Sony.

O facilitador das três turmas do curso é o psiquiatra Alexandre Agacir Silveira, que atua na Saúde Mental em Aracaju e alguns municípios sergipanos. “A nossa maior preocupação enquanto estudioso da Saúde Mental, nos dias de hoje, é o uso indiscriminado de medicamentos controlados sem avaliação, acompanhamentos e históricos da doença. São temas e diagnósticos diferentes que precisam ser estudados e tratados com bastante cautela”, disse Alexandre.

Para o psiquiatra, a Saúde Mental e a Atenção Básica, que estão ligadas ao Programa de Saúde da Família e aos Centros de Apoio Psicossocial, são serviços que devem andar sempre juntos. “Hoje, entre 10% e 15% da população faz o uso do álcool. O número de pessoas portadoras de Transtornos Mentais já chega a 40% da população, um número muito alto que precisa ser observado pelos profissionais médicos, independente da área de atuação e especialidade estudada” ,defendeu.

Comente: