Governo reúne produtores agrícolas, prefeitos e lideranças para discutir ações emergenciais de enfrentamento à seca

O encontro também teve o objetivo de fortalecer o diálogo com os envolvidos, para a busca de ações conjuntas

O governador Jackson Barreto reuniu agricultores, prefeitos, diretores de órgãos estaduais, deputados e federações agrícolas de Sergipe para apresentar os encaminhamentos que vêm sendo tomados pelo Governo do Estado no enfrentamento da seca e suas graves consequências. O encontro, que ocorreu nesta quinta-feira, 25, no Palácio dos Despachos, também teve o objetivo de fortalecer o diálogo com os envolvidos, para a busca de ações conjuntas.

A ideia do governador é elaborar um documento para ser levado ao Governo Federal, buscando sensibilizá-lo para ações emergenciais efetivas, em vistas da previsão de grandes perdas agrícolas para este ano. Segundo levantamento da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) realizado em vários municípios, somente na safra de milho a média é de mais de 90% de perda. Além disso, existe uma grande preocupação do governo também com o abastecimento de água para Aracaju e região metropolitana, em virtude da dificuldade de captação na adutora do São Francisco na cidade de Telha.

“Tomamos a iniciativa de fazer essa reunião para que os companheiros tomem ciência que há uma preocupação do governo com a seca e seus prejuízos, com os agricultores pequenos, médios e grandes que estão passando dificuldades. O governo não pode ficar incessível nesse momento e já estamos com todo o nosso pessoal da área trabalhando. Nossa preocupação é conversar com todos, porque tive uma reunião com o presidente interino Michel Temer e o ministro da Integração buscando algumas ações em função dos efeitos da seca e sobre o que o governo federal vai fazer para nos ajudar”, informou.

Jackson Barreto também lembrou aos presentes que o governo estadual já vem tomando algumas iniciativas a partir da criação, há cerca de um ano, de uma força-tarefa para o Semiárido, que envolve a Companhia de Saneamento de Sergipe – Deso, a Secretaria de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário e da Pesca, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hidricos, a Administração Estadual do Meio Ambiente e a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe – Cohidro.

Projetos

Em recente ida a Brasília, o governador Jackson Barreto apresentou ao ministério da Integração Nacional um projeto no valor de R$ 10 milhões para aplicação emergencial na aquisição de forragem animal, estruturação de poços artesianos já construídos e abastecimento de água. Além de melhorias na captação de água para o abastecimento de um milhão de pessoas em Aracaju e região metropolitana.

A União anunciou a liberação dos recursos, mas segundo informou Jackson Barreto, não pretende fazê-la diretamente aos órgãos estaduais responsáveis e com larga experiência nestas áreas, mas sim fará a destinação dos recursos via Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), com foco na destinação de água para o consumo humano. O governador acredita que diante da gravidade da situação, a companhia não tem o mesmo ritmo nem a área de abrangência necessária para dar a solução que todos querem.

“O governo tem experiência e o projeto pronto”, argumentou o governador aos participantes da reunião. “Discutimos com a Codevasf mostrando o papel e o protagonismo do governo na produção de arroz no Baixo São Francisco. Nós estamos fazendo nossa parte, não estamos apenas preocupados, mas tomando iniciativas no sentido de oferecer contribuição nesse momento difícil”, relatou o governador.

Necessidades

O secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal, disse que a reunião era histórica porque reunia no mesmo espaço setores diversos de forças do campo numa mesma preocupação e sintonia. “O governo do Estado já vem se preocupando com isso, muito embora tenhamos registrado perspectivas de safra recorde. Há um ano, criou, por determinação do governador, um grupo de trabalho que vem pensando nestas ações. O nível de perda é muito grande na produção de grãos, mas o estado se preparou para esse ambiente e parte destas ações tomadas tem impacto hoje e esse grupo está numa condição melhor de agir nesse momento. Há uma preocupação muito grande, não apenas com a produção, mas também com o abastecimento. Essa soma de esforços é importante para buscarmos uma saída e o impacto seja menor para que o homem do campo sofra menos”, disse o secretário.

Para o prefeito de Canindé de São Francisco, Heleno Silva, a antecipação do governo em promover essa discussão merece elogio. Ele colocou algumas questões que são compartilhadas na região. “Esta reunião costumava acontecer em dezembro, para vermos a gravidade da situação. Nós precisamos do seguro Safra que é muito importante para a região, precisamos de uma reavaliação do Exército, o quantitativo de água que eles estão distribuindo nos povoados e municípios. Em Canindé são oito mil famílias na situação de emergência, o Exército fez um levantamento, mas não tem atendido a contento e muitas vezes não ouve os municípios. Já a Codevasf não tem know-how para administrar a questão da seca em Sergipe”, opinou.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Agrícolas de Canindé, Genivaldo Lopes alerta para a gravidade da situação. “Foi importante antecipar a discussão, mas se as providências só chegarem em dezembro muita coisa no sertão já não terá mais salvação. Estas ações têm que ser realmente emergenciais, porque se deixar para o impacto econômico, vai ser muito grande”, comentou.

Encaminhamentos

O diálogo estabelecido pelo governador já rendeu alguns encaminhamentos para questões levantadas pelos participantes. Diante da dificuldade em relação à atuação do Exército na distribuição de água por carro-pipa, ficou definida a realização de uma nova reunião com a participação de representantes do 28º Batalhão de Caçadores (28ºBC), além dos demais participantes do encontro desta manhã, para buscar otimizar o trabalho que já vem sendo feito. Será no dia 2 de setembro, no auditório da Codise.

Para um maior engajamento da bancada sergipana na Câmara Federal, o deputado federal Fábio Mitidieri se colocou a disposição para levar a pauta até os seus colegas deputados em Brasília.

O representante, na reunião, da Federação Agrícola e Pecuária de Sergipe, Denio Leite, repassou as ações que já vêm sendo realizadas pelos produtores do estado. “Entreguei, a pedido do governador, uma nota técnica, que traça um panorama da situação dos agricultores sergipanos, o impacto econômico com a perda da safra do milho. Dentro desse contexto, pedimos a interferência do governo estadual para garantir os votos na reunião do conselho do Banco Central, que no início de setembro vai votar a prorrogação ou renegociação das dívidas dos produtores rurais que irão vencer. A reunião foi muito positiva, demonstrou o interesse do governo na pauta e deixou a classe produtora mais esperançosa de que conseguiremos obter o alongamento da dívida junto ao Banco Central”, disse.

Presenças

Também participaram da reunião o prefeito de Poço Redondo, Roberto Araújo; vice-governador Belivaldo Chagas; o presidente da Emdagro, Jefferson Feitoza; o chefe da Defesa Civil, Cel. Mendes; o presidente da Cohidro, Carlos Felizola; o deputado estadual, Jeferson Andrade e o metereologista Overlan Amaral. E ainda o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Sergipe (Fetase), Antônio Oliveira; Gileno do MST, Haroldo do MPA, o superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Senar Sergipe, Denio Leite e o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Sergipe – Faese, Ivan Apóstolo.

Comente: