Bloco da Prevenção contra o Aedes Aegypti orienta a população de Areia Branca

Na manhã da última sexta-feira (19) centenas de pessoas participaram do Bloco da Prevenção contra o mosquito Aedes Aegypti. Andando pelas ruas os foliões orientaram a população ao som de minitrio e distribuição de cartazes, passando informações necessárias sobre os principais cuidados para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue, zica e chikungunya. Durante o passeio também foram recolhidos muito lixo e recipientes que pudessem armazenar água, espelhados em terrenos baldios e becos da cidade.

De acordo com a secretária municipal de Saúde de Areia Branca, Jennifer Santos Silva, a ação visa alertar a comunidade sobre a importância de se prevenir contra o mosquito transmissor. “É fundamental que todos participem e contribuam para evitarmos que o Aedes Aegypti se prolifere não somente na cidade, mas em todo o Estado. O Brasil e o Mundo estão alertas contra o mosquito e também devemos fazer nosso dever de casa, limpando locais com acumulo de lixo, evitando água em recipientes, como vasos de plantas, calhas e outros locais. Fazendo a nossa parte, vamos contribuir na guerra contra esse invasor”, orientou.

A dona Maria Ivanda dos Santos contraiu a chikungunya e falou dos problemas que tem enfrentado com a doença. Dores nas articulações, febre baixa e manchas pelo corpo têm tirado o sono dessa senhora que é moradora da avenida Senador Walter Franco, nº 95, cidade sede. “Peço a todos que façam a sua parte e limpem seus quintais e não acumulem lixo e nem recipientes com água. É muito ruim está com essa doença. Um mal estar o dia todo e dói tudo, pelo corpo. Aqui em casa, tanto eu como minha filha e neta também pegaram a doença”, informou a moradora, enquanto acompanhava a equipe da saúde passar pela porta de sua casa.

A prefeita Acácia Sousa avisa a população que este é apenas o primeiro passo para o combate ao mosquito transmissor. Ele pede à população que se engaje na luta contra esse invasor que vem trazendo grandes males a toda sociedade. “Temos que ter ciência que as gestantes que estiverem contaminadas, ou que já tiveram a zica, podem gerar bebês com microcefalia. Uma situação muito grave que vai se reverter em consequências para a vida toda. Por isso, eu peço a participação de todos na luta contra esse invasor”, alerta a gestora.

Comente: