Marcos Aurélio sobre o Senador Alessandro Vieira: “Ele sempre ocupou cargos e se beneficiou com a política, desde o governo de João Alves”

A reportagem da Folha de Sergipe conversou na manhã desta quinta-feira, 09, com o Diretor de Comunicação Social da Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese), Marcos Aurélio. Sempre alegre e bastante receptivo, Marcos falou sobre a saída do PPS, sua relação com Luciano Bispo e o processo sucessório municipal do próximo ano.

Durante conversa, Marcos fez questão de deixar claro o orgulho de ser natural de Malhador. No início da semana, mostrando discordância com o novo grupo que assumiu o controle da sigla, Marcos anunciou o desligamento do PPS por não compactuar com a propalada nova política adotada pelo novo presidente [senador Delegado Alessandro e companhia]. Questionado se a “nova política” difundida por novos socialistas foi o motivo da saída, Marcos foi contundente.

“Não tenho nada pessoal contra ninguém, cada um faz e diz aquilo que deseja. Sobre essa história da “nova política”, a exceção do partido Novo, que seus membros não tem uma história na política, a maioria daqueles que se apresentam como novos, são figuras carimbadas da política. O próprio Alessandro Vieira, que lidera esse projeto, sempre ocupou cargos e se beneficiou com a política, desde o governo de João Alves, Déda e Jackson Barreto. Então essa história de novo, é apenas uma jogada de marketing para ocupar espaços de poder”, enfatizou Marcos.

Prosseguindo, Marcos fez questão de deixar claro [enquanto conversava com a nossa reportagem] o seu respeito em relação ao Presidente Nacional do PPS, o “respeitável” (falou assim) Roberto Freire.

“Com Roberto, o partido sempre manteve-se na vanguarda e assumiu posições firmes, mas daí a dizer que “novo”, vai uma distância grande”, frisou cutucando os novos dirigentes estaduais.

Questionado sobre a possibilidade de vir a disputar o processo sucessório [caso venha a disputar a eleição em 2020 será a quarta vez que participará na condição de candidato em um processo eleitoral] Marcos revelou que está analisando a possibilidade de lutar por vaga para vereador na Câmara Municipal de Aracaju. Indagado da possibilidade de concorrer no MDB (acompanhando o “seu” líder político Luciano Bispo) e se o fato do partido já ter dois vereadores na atual legislatura poderia inviabilizar a sua ida, Marcos lembrou de forma emocionada que o partido tem uma história na sua vida, pois o seu pai foi filiado na década de 70, e esclareceu.

“Sou liderado por Luciano Bispo sim, com muito orgulho, pelo trabalho que ele fez ao longo da sua vida e agora na Assembleia Legislativa. Quanto ao dois vereadores, Bigode e Dr. Gonzaga, saiba que são dois vereadores com trabalho prestado aos aracajuanos e ao contrário, se me decidir filiar, a presença dos dois me alegra”, ressaltou.

Ainda sobre o futuro político partidário, Marcos registrou que já recebeu convites de filiação do PSD (através do deputado federal Fábio Mitidieri) e do PODEMOS (via Zezinho Sobral).

Fazendo um rápido retrospecto de sua vida político-partidária, Marcos lembrou que tudo começou no ano de 1996 na companhia de Clóvis Silveira no PTB, logo após, através do professor Fernando Lins (falecido recentemente), passou a integrar o agrupamento que tinha o já ex-prefeito Almeida Lima, passando pela rádio Liberdade, e depois foi convidado por Rosalvo Alexandre (Bocão) para assessorar nos comunicação de Marcelo Deda na Prefeitura de Aracaju. Dalí adiante, segundo Marcos, foi para Itabaiana, inicialmente no grupo da deputada Maria Mendonça, voltando para o governo com Nilson Lima, e depois aliando-se ao deputado Luciano Bispo, a quem segue há 10 anos, aí já no PPS, com Nilson presidente e eu secretário geral no estado.

Perguntando se existe a possibilidade de repetir 2012, e consequentemente poder voltar a andar em um projeto com o ex-senador Almeida Lima, Marcos foi incisivo.

“Não há nenhuma chance de ocorrer novamente, nada contra Almeida, respeito o jeito dele, mas politicamente não temos nenhuma relação”, finalizou.

Fonte: Reprodução do Folhadesergipe.com

Comente: