Prefeitura recebe Exército Brasileiro para contribuir com a limpeza das praias aracajuanas

Na manhã deste domingo, 27, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema), recepcionou cerca de 50 homens do 28º Batalhão de Caçadores do Exército Brasileiro – Batalhão Campo Grande, que iniciaram a contribuição com a operação de limpeza das praias aracajuanas devido aos danos causados pelo óleo que tem chegado à costa do Nordeste brasileiro. A participação do Exército na operação foi definida nacionalmente na última segunda-feira, 21, e os militares devem atuar na limpeza das praias em toda a região atingida.


Inicialmente, na tarde de sábado, 26, o secretário municipal do Meio Ambiente, Alan Alexander Mendes, em conjunto com o comandante do 28BC, o coronel de Infantaria José Fernandes Carneiro, e o capitão de Fragata da Capitania dos Portos da Marinha do Brasil, Guilherme Conti Padão, realizaram a avaliação e monitoramento da faixa de praia da Cinelândia até o Viral para analisar os próximos passos da operação.

Logo no início da manhã deste domingo, após as instruções e briefing da tropa, os militares que servem às Forças Armadas em Aracaju, deram início à operação, apoiando as equipes de limpeza. A atuação do dia segue até o aumento do nível da maré, no final da tarde. Nos próximos dias, os homens estarão à disposição para atuar na costa aracajuana enquanto for considerado necessário.

Operação de limpeza

Todos os dias, 22 quilômetros de praias estão sendo monitorados por terra e ar, este segundo sendo feito através de drones da Sema e da Defesa Civil Municipal. Desde o início da chegada do material identificado como petróleo cru ao litoral sergipano, a Prefeitura de Aracaju, por meio de uma atuação conjunta entre vários órgãos municipais, sob a coordenação da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema), tem atuado diariamente para mitigar os danos causados. A atuação das equipes está baseada em três pilares: monitoramento ambiental diário, limpeza das praias e comunicação e educação ambiental.

Comente: