Marcos Aurélio cobra dos senadores, Governo e bancos, discussão sobre número de negativados e oportunidade de crédito

Dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasi)l estima 65 milhões de brasileiros negativados, o que significa dizer que temos algo em torno de 40,45% da população (adulta) de consumidores com restrição no CPF.

Na capital sergipana, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) mostrou que em 2018 a maior taxa de inadimplência estava concentrada na população com idade em torno dos 30 anos, com taxa de 27,05% de inadimplência. A população de 18 anos a 24 anos seguia essa realidade com 21,1% de negativados. Dos 40 anos a 49 anos, o índice era de 19,18%, e dos 50 anos a 64 anos, essa taxa caia para 14,36% de inadimplência.

Essa realidade foi tema de debate entre o comunicólogo e administrador de empresas, Marcos Aurélio e a corretora de imóveis Amanda Silva, durante live temática: “Empreendedorismo e a retomada do mercado imobiliário”.

Ao relatar que 70% dos interessados em adquirir um imóvel têm algum tipo de restrição no CPF, a corretora Amanda conta que orienta, a esses clientes, a negociação como forma de realizar o sonho da casa própria.

“Contudo, esse cliente, que está negativado, por diferentes motivos, acaba esbarrando na avaliação de crédito por parte dos bancos, e vê esvair-se a possibilidade, ao menos naquele momento, em dar seguimento em seu sonho”, destaca a corretora.

Diante desse cenário, Marcos intercede com a retórica de que alguma atitude precisa ser tomada para ajudar a reverter essa situação, de pessoas que estão com restrição no CPF e que querem negociar.

“Temos três senadores em Sergipe. Oito deputados federais. E não vejo nenhum, nem os bancos e nem o Governo, discutir esse assunto. É preciso encontrar mecanismos de algumas garantias para que o consumidor regularize sua situação e possa conquistar crédito no mercado novamente”, cobra o candidato a vereador – PDT – pela capital sergipana.

Construção do Projeto Aracaju

Na construção do Projeto Aracaju, Marcos Aurélio tem buscado discutir temas relevantes, de grande importância para o desenvolvimento humano, transformação e evolução.

Umas das propostas são os três pilares do desenvolvimento humano para as escolas da rede municipal de educação (Inteligência Emocional, Empreendedorismo e Educação Financeira).

Além da linha de crédito orientada, uma proposta de oferecer a oportunidade para aquela pessoa que desejar empreender, conquistar um valor entre R$ 2 mil a R$ 5 mil para que, após uma capacitação da Prefeitura, e com o aval da mesma, junto a uma instituição bancária, consiga abrir seu próprio negócio, permitindo sua retomada econômica.

“Cada mãe ou pai que tiver acesso a esses recursos, será capaz de gerar sua própria renda para sustentar suas famílias e, com isso, fazer circular mais dinheiro que, seguramente, também chegará às médias e grandes empresas de Sergipe”, explica o administrador de empresas, Marcos Aurélio.

Assessoria de Imprensa

Comente: