Empresas norte-americanas apresentam benefícios de projeto de modernização de TI em SE

Belivaldo Chagas conheceu objetivos que vão possibilitar, principalmente, melhorias nas áreas de Saúde, Segurança e Educação

Sergipe foi escolhido pela Agência dos Estados Unidos para o Comércio e Desenvolvimento (USTDA) para receber projeto de implantação de rede banda larga de alta velocidade e segurança, bem como um ambiente de armazenamento de dados da Rede Governo (Data Center). Para apresentar os benefícios dessa iniciativa de modernização do setor de Tecnologia da Informação (TI) no Estado, o vice-governador, Belivaldo Chagas, recebeu na manhã desta segunda-feira, 28, representantes da PTS Data Center Solutions, empresa vencedora da licitação realizada pela USTDA, seus parceiros diretos, e ainda da Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação (Emgetis). Ao ser implementado, o projeto possibilitará o desenvolvimento de um sistema de governança integrada, proporcionando maior velocidade e eficiência na entrega dos serviços públicos, principalmente nos setores da Saúde, Segurança e Educação.

Para que o projeto seja construído, Sergipe recebe o investimento de cerca de US$ 600 mil (mais de R$ 2,3 milhões), e o Governo do Estado não necessita arcar com nenhuma despesa. O desenvolvimento da iniciativa é de responsabilidade da PTS e mais duas empresas parceiras, firmadas em consórcio.

Dentro do Plano de modernização e expansão de TI na área de Segurança, o projeto contribuirá através de uma melhor interligação entre delegacias e órgãos de segurança, monitoramento por câmeras, reduzindo o tempo de resposta para solução de delitos e, consequentemente, diminuindo índices criminais. Na Saúde, será implantada uma rede mais ágil, que interligará as unidades de pronto atendimento, urgências e postos de saúde, permitindo o uso de novas tecnologias, como a telemedicina. Para a Educação, o projeto prevê uma ampla inclusão digital, pois serão conectados todos os municípios sergipanos, levando banda larga de alta velocidade a telecentros públicos e escolas.

“Destacamos a importância, mais uma vez, da ação que está sendo implementada pela Emgetis com apoio da USTDA, que chega para colaborar. Essa iniciativa se soma a ações já implantadas pelo Estado com relação à Tecnologia da Informação. O projeto é custo zero para o Estado de Sergipe, e agradecemos a participação da Agência dos Estados Unidos, que está alocando recursos. Com a implementação dessa ação, teremos diminuição em nossos custos de TI e nos projetos que já estamos implementando”, destacou Belivaldo Chagas.

O diretor-presidente da Emgetis, Ezio Faro, explica que, com a implementação do projeto custeado pela USTDA, a Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação poderá dar mais suporte para as Secretarias de Estado, aprimorando o serviço oferecido pelo governo. Ele afirma que os técnicos norte-americanos já estão trabalhando com brasileiros para que o projeto tenha toda a qualidade possível.

“60% da nossa população mundial estarão residindo nas cidades em 2020, e desses 40% terão mais de 60 anos de idade. Então, é uma população que estará envelhecida e precisará cada vez mais dos serviços do governo e que esses cheguem a ele. Através da internet e da banda larga vamos fazer isso no campo da Educação, Saúde e principalmente no da Segurança. Vamos aprimorar os instrumentos que temos através da Tecnologia da Informação para que a gente possa dar garantia ao Estado de ter perspectivas para melhorar a vida de todos”, relatou Ezio.

Segundo Flávio Feferman, presidente da empresa Developing Markets Group, parceira no consórcio, o governo norte-americano tem desenvolvido projetos similares em outros estados brasileiros, como Ceará, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Amapá.

“Esse é um modelo de projeto muito bom, pois o governo norte-americano contribui para o desenvolvimento dos estados no Brasil. O resultado final é ter maior eficiência dentro do Governo do Estado, melhorando a gestão e levando serviços a população. E existe também benefício que pode ser estendido ao setor privado, que pode passar a usufruir da rede para melhorar sua própria situação de telecomunicações, com agilidade na obtenção de dados, acesso a internet e tudo mais”, afirmou Feferman.

 

Comente: