CPI da saúde: Vereadores tentam, mas acareação não é transparente para desvendar ministérios do Cirurgia

Para a acareação, na última segunda-feira, 17, compareceram a sessão na Câmara Municipal de Aracaju, o ex-secretário municipal da Saúde, André Sotero; o ex-diretor presidente do Hospital de Cirurgia, Gilberto Santos; o ex-diretor financeiro do Hospital de Cirurgia, Milton Eduardo Filho e a atual secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza.

O vereador e relator da Comissão Parlamentar de Inquérito da Saúde, Isac Silveira (PCdoB), questionou sobre o repasse de verbas para o setor da oncologia do Hospital de Cirurgia. E o médico e ex-diretor presidente do Hospital de Cirurgia, Gilberto Santos, não foi objetivo nas respostas. Já o ex- secretário municipal da saúde André Sotero, rebateu as afirmações dizendo que verbas federais não atrasam e que nenhuma era específica para a oncologia. E que, em 2016, o município de Aracaju pagou uma dívida do ano de 2016. “Edvaldo Nogueira pagava em dia e ainda pagou dívida deixada por outro prefeito. Waneska conseguiu manter regularidade nos pagamentos”, disse Sotero.

O ex-diretor financeiro do HC, Milton Eduardo Filho resumiu sua participação dizendo que não estava na gestão na época do ocorrido. “Quando entrei na direção, no ano de 2017, paguei mais de 800 mil reais a uma empresa. No acerto de contas, o hospital ficou de receber mais de 2 milhões de reais”, disse Milton. O médico Gilberto Santos não concordou com as explicações dos secretários da saúde do município afirmando que a SMS está em débito. “Se eu estiver errado, pode me prender. Me leve até a Polícia Federal que lá esclareço tudo”, afirmou Gilberto.

A CPI da Saúde tem investigado os repasses financeiros e os contratos firmados entre a Prefeitura Municipal e Hospitais Filantrópicos de Aracaju. Diante das respostas, que para os vereadores estavam confusas o vereador Jason Neto (PDT) afirmou pouca transparência. Já o vereador Anderson de Tuca (PRTB) demonstrou insatisfação. “Até quando vamos ficar com esse bate rebate de que pagou, não pagou. O que eu quero saber é se houve desvio de verba pública, já que Waneska disse mais de uma vez, que o HC é uma caixa preta”. O vereador e também membro da CPI Amintas (PTB) fez alguns questionamentos a respeito da caixa preta. Gilberto não respondeu e rebateu. “Não sou eu que tenho que responder. Não vou responder, até porque não tem caixa preta alguma. Quem tem boca fala o que quer” disse o médico se referindo as afirmações feitas por André Sotero e Waneska Barboza.

O vereador Isac Silveira indagou o comportamento dos convidados na acareação. “Não estamos aqui brincando. Estamos falando sobre vidas que estão se acabando em cima de leitos por falta de gestão. O que eu quero é que os responsáveis sejam identificados e investigados pela justiça”, falou o relator. O prazo do relatório apontando as irregularidades encontradas está previsto para o final do mês de setembro.

O vereador Seu Marcos, que preside a comissão, reafirmou que existem irregularidades. “Está mais do que claro que existem irregularidades na utilização das verbas recebidas pelo HC. Não está claro onde foi utilizado o dinheiro. Denunciaremos ao Ministério Publico e esperamos que os responsáveis pelas inúmeras mortes paguem por isso. Enquanto não houver justiça e punição para os gestores muitas pessoas ainda vão morrer nas filas esperando atendimento”, desabafou o parlamentar.

Por Valéria Santana e Marta Costa, Assessoria de Imprensa do parlamentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *