O defensor público do Estado de Sergipe, Orlando Sampaio de Almeida destacou no plenário da Assembléia Legislativa na tarde desta quinta-feira, 18, quando da audiência pública sobre crimes cibernéticos, realizada por meio de propositura do presidente da Alese, deputado Luciano Bispo (PMDB), que o Brasil é o 3º país no mundo em fraudes eletrônicas.

“Os crimes virtuais, ou crimes cometidos na Internet é um assunto de extrema relevância. Hoje, segundo dados, o Brasil é o 3º no mundo em fraudes eletrônicas, então precisamos trabalhar esse tema sob a perspectiva criminal. Quais os crimes cometidos pela Internet, os problemas que geram de investigação e instrução no processo; as repercussões cíveis relativas, sobretudo a danos morais, a como buscar essa responsabilização dos criminosos”, ressalta lembrando que os crimes cibernéticos são os antigos a exemplo de estelionatos e furtos através da Internet.

“A maior questão é verificar a autoria. Hoje em dia a maior dificuldade é verificar quem são os autores desses crimes. Em algum momento de nossas vidas, dos nossos dias, nos conectamos à rede mundial de computadores, então podemos sim ser vítimas desses crimes”, completa.

Sergipe

Indagado pela Agência de Notícias Alese, quanto à busca de orientações junto à Defensoria Pública de Sergipe, o defensor destacou: “Tem chegado casos tanto do ponto de vista criminal, a respeito da responsabilização das pessoas que por ventura cometam esses crimes, mas principalmente as pessoas que buscam indenização por se sentirem lesadas por terem suas fotos íntimas divulgadas na internet, por terem contra si, comentários racistas e vexatórios, que buscam a responsabilização civil. Então tem chegado cada vez mais, casos desses tipos à Defensoria Pública e a maioria deles acontece pela falta de informação à cerca de se proteger desse tipo de crime”, enfatiza.

Por Agência de Notícias Alese

Foto: César de Oliveira