Belivaldo: Palavra de ordem é transparência

Em coletiva realizada antes da Sessão Solene de Posse, que aconteceu na tarde desta terça-feira, 1 de janeiro de 2019, na sala de reuniões da Assembleia Legislativa de Sergipe, o governador eleito, Belivaldo Chagas, juntamente com a vice- governadora Eliane Aquino, disse que  a palavra de ordem para sua gestão é “transparência”.

De acordo com o governador,  Sergipe está longe  de superar o desequilíbrio nas contas públicas.  A previsão para este ano de 2019 é de mais de R$ 500 milhões de reais. Segundo Belivaldo, terá que buscar recursos extraordinários e cortar despesas, assegurar investimentos que contribuam para amenizar a elevada taxa de desemprego e principalmente para cumprir a folha de pagamento. “Nós não podemos decepcionar nossos servidores, nem tão pouco decepcionar a população”, disse o governador.

Belivaldo enfatizou que o ano de 2019 será um ano extremamente difícil, e que por isso preza por um governo pautado com transparência nas ações. Segundo ele, já na primeira quinzena do mês de fevereiro, irá apresentará a sociedade  o relatório do que será o governo, a forma como viraram o ano de 2018, bem como  a arrecadação do mês de janeiro e a forma que foram utilizados os recursos  das contas. “Faremos um governo, eu e Eliane totalmente aberto e transparente. Quero governar com os poderes e os diversos seguimentos da sociedade. E por isso mesmo a palavra de ordem será transparência”, ressaltou Belivaldo.

Ainda na coletiva, Belivaldo disse que foi em virtude de governar com transparência que foi criada a Secretaria de Transparência e Controle, não para agradar à maioria da nossa população, mais porque não tolera mais a Caixa Preta dos gastos públicos desordenados.  “Transparência não será apenas uma palavra para contentar, será, sobretudo, uma exigência ética a ser devotadamente cumprida, por mim em primeiro lugar, e por todos os que integrarem o meu governo”, salientou o governador.

Sobre o déficit da previdência, Belivaldo disse que já em primeiro momento, o governo apresentou a Reforma Administrativa, onde foi realizado redução de cargos em comissão e secretarias, e que no no segundo momento, será revisado a situação de empresas e contratos.

 

Governador Belivaldo Chagas

Belivaldo Chagas exerceu as funções de secretário de Educação e da Casa Civil. É defensor público aposentado, já foi deputado estadual por quatro legislaturas, secretário de Estado da Articulação com os Municípios, coordenador Geral do Projeto Nordeste e diretor-presidente da Segrase. Em 2007, foi eleito para o primeiro mandato como vice-governador do Estado, junto com o governador Marcelo Déda, cargo que ocupou até 2010. Já em 2015, foi eleito vice-governador de Sergipe pela segunda vez, tendo Jackson Barreto como governador para o exercício até 2018.

Vice-governadora Eliane Aquino

Eliane Aquino Custódio nasceu em Brasília em 16 de fevereiro de 1971. Repórter fotográfica, Eliane trabalhou em assessorias do Senado e da Câmara dos Deputados. E foi no Congresso seu primeiro contato com Marcelo Déda Chagas, com quem viria a casar e morar em Sergipe.

Em 2000, já morando em Aracaju, implantou o trabalho social da Missão Criança, ONG que se destacava em Brasília na promoção de ações em defesa e inclusão social de crianças, adolescentes e suas famílias e da qual tinha sido voluntária. Em 2001, com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Eliane Aquino passa a presidir a ONG Missão Criança Aracaju, que posteriormente tornou-se a OSCIP Instituto Recriando.

Em 2006, durante a primeira eleição de Marcelo Déda Chagas ao governo do Estado, assumiu a coordenação de um Gabinete Integrado, que objetivava articular ações das Secretarias de Estado de modo interdisciplinar e desenvolver projetos focados na promoção da inclusão social.

Em janeiro de 2011, assumiu a Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides), na qual permaneceu até janeiro de 2015. Após o falecimento de Marcelo Déda Chagas, em dezembro de 2013, fundou o Instituto Marcelo Déda, em abril de 2014. Em 2016, foi eleita vice-prefeita de Aracaju na chapa do prefeito Edvaldo Nogueira, que recebeu 146.271 votos, o equivalente a 52,11% dos votos válidos. Na gestão municipal, atuou como secretária Municipal de Assistência Social, função da qual se afastou para disputar eleições como vice-governadora.

 

Por Luciana Botto- Rede Alese com informações Agência Sergipe de Notícias (ASN)

Foto: Rosângela Dória

Comente: