Resumo dos principais jornais do Brasil

 

22 de agosto de 2017

O Globo

Manchete: Eletrobras deve ser vendida

Governo privatizará ainda aeroportos e portos e estuda conceder Parque Olímpico

Repasse do controle de estatal de energia deve render R$ 20 bi. Usina de Itaipu não será incluída

O Ministério de Minas e Energia propôs ao governo incluir a Eletrobras no programa de privatizações. A ideia é lançar novas ações da estatal em Bolsa, diluindo a participação da União, que deixaria de ter o controle da empresa, mas manteria o direito a veto em decisões estratégicas. O objetivo é arrecadar R$ 20 bilhões e ajudar a cobrir parte do rombo fiscal. Itaipu Binacional e usinas nucleares não seriam incluídas na privatização. O governo prevê ainda ceder à iniciativa privada outros 58 empreendimentos, entre portos, aeroportos e rodovias. E iniciará estudos para privatizar o Parque Olímpico do Rio. (Págs. 17, 18 e Míriam Leitão)

Megaoperação vaza e não apreende fuzis

Escolas suspendem aulas por tempo indeterminado

O vazamento de informações fez com que a operação com sete mil militares e policiais em oito comunidades da Zona Norte acabasse sem um único fuzil apreendido. Um soldado do Exército foi preso por alertar traficantes sobre ações da polícia. Por causa da operação de ontem, cerca de 27 mil estudantes ficaram sem aulas. No Jacarezinho, 15 escolas suspenderam o ano letivo por tempo indeterminado. (Pág. 8)

País tem 60 milhões de inadimplentes

O Brasil tem quase 60 milhões de pessoas com o nome sujo na praça, informa pesquisa do SPC. Em janeiro, os inadimplentes eram 1 milhão a menos. O desemprego (26%) e a queda na renda (14%) são apontados como os principais motivos. O problema atinge mais mulheres (56%) que homens (44%). (Pág. 19)

Editorial

‘Os interesses que adulteram a reforma política’ (Pág. 14)

Suspeição de Gilmar é pedida

O procurador Rodrigo Janot enviou ao STF pedido de suspeição do ministro Gilmar Mendes, que mandou libertar Jacob Barata e Lélis Teixeira, donos de empresas de ônibus e suspeitos de corrupção. (Pág. 6)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Maia e Gilmar admitem volta de doação eleitoral de empresas

Para presidentes da Câmara e do TSE, rejeição a fundo com recursos públicos reforça alternativa da doação privada

A proposta que cria um fundo público bilionário para financiar campanhas eleitorais em 2018 enfrenta resistência e terá dificuldade para ser aprovada no Congresso, avaliaram ontem participantes do Fórum Estadão – Reforma Política em Debate, evento realizado pelo Estado. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes – além de parlamentares e cientistas políticos que participaram do evento –, indicaram que a retomada do financiamento empresarial se tornou uma alternativa à reserva composta majoritariamente por recursos públicos. Para Maia, “o melhor que a Câmara tem a fazer” é aprovar a criação do fundo sem vinculá-lo à receita corrente líquida e determinar como ele será abastecido. “E esperar para ver se o Senado vota a PEC do financiamento privado (de empresas). Seria mais transparente do que estarmos em silêncio sobre esse tema”, disse o deputado. (POLÍTICA / PÁGS. A4, A6, A8 e A9)

Reforma é para garantir reeleição, admite relator (PÁG. A6)

Especialistas fazem críticas ao sistema de distritão (PÁG. A8)

Temas debatidos no evento mobilizam sociedade civil (PÁG. A8)

Para fazer caixa, governo quer privatizar a Eletrobrás

O governo anunciou ontem a intenção de privatizar a Eletrobrás. O valor de mercado da estatal do setor elétrico na Bolsa de Valores de São Paulo é de cerca de R$ 20 bilhões, e o montante pertencente à União chegaria a R$ 12 bilhões. Segundo o Ministério de Minas e Energia, o governo continuará como acionista da companhia, receberá dividendos e manterá poder de veto, preservando decisões estratégicas. Analistas acreditam que a venda será benéfica para a estatal. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3)

Janot denuncia Jucá por suposta venda de MP

O procurador-geral, Rodrigo Janot, ofereceu denúncia no STF contra o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR). O peemedebista é investigado na Operação Zelotes por suposto favorecimento, em uma medida provisória, ao Grupo Gerdau em troca de doações. Ele nega. (POLÍTICA / PÁG. A11)

Procurador pede suspeição de ministro do STF

Rodrigo Janot solicitou à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, arguições de impedimento, suspeição e incompatibilidade do ministro Gilmar Mendes, relator na Corte dos habeas corpus em favor dos empresários Jacob Barata Filho e Lélis Marcos Teixeira. (POLÍTICA / PÁG. A11)

Soldado teria informado tráfico sobre ação militar (Metrópole / Pág. A16)


Eliane Cantanhêde

Sem mudar o País pelas cúpulas, brasileiros vão continuar matando e morrendo por baixo. (POLÍTICA / PÁG. A6)

Notas & Informações

A capacidade do TSE

O STF proibiu a doação de pessoas jurídicas a partidos. Alguns políticos querem que o Estado assuma a conta. Partidos são entidades privadas e devem ser sustentados por contribuições dos eleitores. (PÁG. A3)

A fragilidade das delações

Algumas colaborações não produzem contrapartida que justifique o prêmio aos delatores. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Governo propõe a privatização da Eletrobras

Intenção é arrecadar até R$ 30 bilhões com a venda de ações, o que ajudaria a conter déficit federal em 2018

O governo Temer (PMDB) planeja privatizar a Eletrobras. Ontem, o Ministério de Minas e Energia informou que vai propor a venda de ações da União na estatal, a exemplo do que já foi feito com a Embraer e com a Vale. A equipe do peemedebista não informou quantas ações pretende vender —falou apenas em “democratização” da empresa na Bolsa. O ministro Fernando Coelho Filho (Minas e Energia) disse à Folha que a ideia é diluir a participação do governo. Seria mantida ação que garantiria poder de veto em decisões estratégicas. A União possui 40,99% das ações da Eletrobras. O BNDES tem 18,72%, e fundos federais, 3,42%. Para o ministério, a venda trará “competitividade e agilidade”. A intenção é arrecadar até R$ 30 bilhões, que ajudariam a conter o déficit em 2018. Hoje, o valor de mercado da empresa é de R$ 20 bilhões. Com o anúncio, o preço das ações da companhia negociadas em Nova York subiu 22% após o fim do pregão. O presidente da Associação dos Empregados da Eletrobras diz que a privatização é ruim para o país. (Mercado A18)

Reformista tem boa chance na eleição de 2018, diz Meirelles

Um candidato a presidente com plataforma reformista terá boa chance na eleição de 2018, diz o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Em entrevista a Ricardo Balthazar e Mariana Carneiro, porém, Meirelles desconversa sobre se candidatar e declara estar concentrado na agenda de reformas. “A posição populista já foi suficientemente testada e deu resultado negativo. A população está alerta para isso”, afirma. (Mercado A13)

Plano para o São Francisco empaca e deixa cidades em situação crítica (Cotidiano B1)


Senador Romero Jucá é denunciado na Operação Zelotes

A Procuradoria-Geral da República denunciou o senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, sob acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Zelotes, que apura compra de decisão em recursos tributários e de emendas no Congresso. Jucá se disse “tranquilo”. (Poder A4)

Joel Pinheiro da Fonseca

PSDB errou com peça vaidosa em horário nobre

A chance de evitar o pesadelo Lula x Bolsonaro na eleição de 2018 depende da celeridade da Justiça e de uma candidatura sólida de centro-direita. O PSDB é uma opção. Mas, na hora de falar ao país, é preciso autoconfiança e uma narrativa que inspire, em vez de autocrítica e exposições abstratas. (Poder A6)

Editoriais

Leia “Golpe constituinte”, sobre tomada do Poder Legislativo por colegiado na Venezuela, e “Voyager, 40”, acerca de missão espacial de sondas gêmeas. (Opinião a2)

————————————————————————————

Comente: