Hipertrofia da Adenóide

Adenóide

A adenóide é um tecido linfático localizado no segmento superior da faringe, juntamente com as amigdalas palatinas, fazem parte do sistema de defesa do organismo. Nas crianças, o crescimento exagerado da adenóide pode obstruir as vias nasais e impedir a respiração normal.
1 – MANDÍBULA Quando a criança deixa de respirar normalmente, a pouca pressão do ar no nariz faz com que o céu da boca fique alto. Por isso, os dentes ficam projetados para a frente, provocando a má-formação da mandíbula.

2 – SONO Respirar pela boca durante todo o tempo provoca ronco. Além disso, a criança tem um sono agitado e superficial.

3 – RAQUITISMO As dificuldades para mastigar e respirar ao mesmo tempo pela boca provocam falta de apetite. Sem sentir o cheiro dos alimentos, a criança não tem motivação para comer.

10 – PULMÃO Quando a respiração é normal, antes mesmo de o ar chegar aos pulmões, estes se expandem para recebê-lo. Se o ar entra pela boca, o pulmão, além de não ter o reflexo natural de expansão, recebe o ar sujo e sem umidificação.
É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem. 7- SINUSITE Inflamação dos seios paranasais. Com a obstrução nasal, a secreção produzida nas fossas nasais fica acumulada formando um foco para bactérias. Por isso, há sempre o risco de infeccionar a região paranasal.

8 – AUDIÇÃO O ar que entra pelo nariz equilibra o tímpano — membrana que divide o ouvido interno do externo. Sem este equilíbrio, a criança pode ter permanentemente dor, otites de repetição, dificuldade auditiva, etc.

9 – OLFATO A obstrução das fossas nasais impede inclusive que passem os cheiros. Com o nariz impermeável aos odores, a criança não sente fome e, por isso, fica raquítica.

TRATAMENTO CIRÚRGICO

1 Os cirurgiões optam pela anestesia geral para deixar a criança mais tranqüila e sem dor

2 Com um instrumento cirúrgico específico, que tem um fio cortante na ponta, o médico raspa a parede da garganta e extrai o tecido.

3 A realização da cirurgia permite que a criança volte automaticamente a respirar de forma normal.
Texto e imagens Correio Braziliense