Prefeitura inicia repasse da segunda dose de CoronaVac aos hospitais da capital

Dando continuidade ao Plano Municipal de Imunização, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), iniciou o repasse da CoronaVac [vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac Biotech] aos hospitais da rede pública e privada da capital, para aplicação da segunda dose dos profissionais de saúde. A campanha já imunizou 11.136 profissionais de saúde e idosos institucionalizados, grupos prioritários dessa primeira fase da vacinação. 
O início da vacinação da segunda dose, em Aracaju, considera o intervalo médio para aplicação entre as doses da CoronaVac, que é de duas a quatro semanas. Para a continuidade da imunização dos profissionais de saúde, foi firmada parceria com as unidades hospitalares, as quais ficaram responsáveis pela execução das doses, que são retiradas na Rede de Frio da SMS
“Já temos nossa lista de controle com as pessoas que tomaram a primeira dose, e temos também a planilha com o quantitativo para cada instituição. O HUSE [Hospital de Urgência de Sergipe], por exemplo, já fez a primeira dose em mais de dois mil funcionários. Como eles têm local para armazenar, vieram aqui na Rede de Frio e liberamos o quantitativo de 500 doses. Quando é um volume de doses muito grande, liberamos de forma gradativa, daí quando eles vacinarem esses 500 nos comunicam, trazem a planilha com os 500 nomes comprovando que as doses foram aplicadas e elas vão sendo liberadas até fechar a quantidade total”, explica a coordenadora do Programa Municipal de Imunização da SMS, Ana Paula Machado. 
O coordenador de Enfermagem do HUSE, Vinicius Vilela Dias, responsável pelo quantitativo do hospital, elogiou a logística de vacinação contra a covid-19 executada pela Saúde de Aracaju. “Essa responsabilidade compartilhada vai facilitar e garantir uma agilidade maior para poder contemplar os profissionais, e o Município está sendo muito parceiro, solícito e isso ajuda bastante. Estamos seguindo todas as orientações do Ministério Público Federal sobre as 12 prioridades, já fizemos cinco e, a partir de agora, estaremos avançando para as áreas menos críticas, mas que também tem contato com pacientes covid”, disse. 
“Esse quantitativo será destinado para a segunda dose e a primeira dos que ainda não foram imunizados. Faremos como acontece com a imunização contra a gripe, em que pegamos as doses aqui na Rede de Frio e fazemos a imunização dos profissionais in loco”, afirmou a enfermeira da Comissão de Controle de Infecção Hospital do Hospital São José, Daiana Santos. 
Para as unidades hospitalares que não têm condições de armazenamento dos imunizantes, Ana Paula explica que o repasse acontece de forma reduzida e gradativa, de maneira a não comprometer a qualidade da vacina. 
“Cada unidade terá uma forma de repasse diferenciada, visto que as quantidades são diferentes. Já as unidades hospitalares que não têm onde armazenar a vacina, irão receber o quantitativo referente à aplicação no dia. Dessa forma, no dia seguinte, a unidade traz a planilha preenchida e repassamos uma nova remessa até zerar a quantidade total”, explica a coordenadora do Programa Municipal de Imunização da SMS.

Comente: