Prefeitura de Aracaju trabalha para minimizar transtornos causados pela chuva

Desde a madrugada desta terça-feira, 23, Aracaju tem apresentado alto índice pluviométrico, situação que se estende por todo o dia. Diversos focos de alagamentos estão sendo registrados pois, além das fortes chuvas que caem na cidade, o ciclo é de maré alta.

Outro aspecto que tem gerado acúmulo de água nas vias é a dificuldade de escoamento na rede de drenagem. Além da falta de manutenção por parte da antiga administração durante os últimos quatro anos, o descarte irregular de resíduos bloqueia bueiros e entope canais, causando problemas em momentos de chuva intensa. Entretanto, a Prefeitura de Aracaju vem se empenhando para equacionar essa situação e, ao mesmo tempo, garantir a segurança da população e minimizar os transtornos por causa das fortes chuvas.

Defesa Civil

A Defesa Civil de Aracaju segue atuando com duas equipes nas ruas, monitorando a situação e principalmente os pontos mais críticos. Até o momento, foram registradas quedas de árvores, locais com risco de desabamento e diversos pontos de alagamento, sem ocorrências de situações que comprometessem a integridade física da população.

De acordo com o coordenador do órgão, tenente-coronel Gilfran Matheus, nesta terça-feira, o bairro Santa Maria é um dos pontos mais críticos da cidade, sendo necessário apoio da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) e do Corpo de Bombeiros.

Diante da situação, o coordenador Defesa Civil de Aracaju orienta que nesta terça-feira, 23, as pessoas evitem transitar em áreas onde há canais, sobretudo entre 13h e 16h. Em casos de situação de risco o cidadão deve acionar o órgão por meio do 199.

“A Defesa Civil está de plantão e a gente reforça que as pessoas que residem em áreas de risco não esperem chegar ao extremo para tomar uma providência. A qualquer sinal de desabamento, qualquer barulho ou rachadura, é motivo para sair e chamar a Defesa Civil”, orientou o tenente-coronel Matheus.

SMTT

Cerca de 50 agentes de trânsito da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) estão nas ruas desde as primeiras horas nesta terça-feira para minimizar os transtornos. De acordo com o órgão, eles atuam nos locais mais críticos na cidade e atendem as ocorrências pontuais.

A SMTT identificou os pontos mais críticos de Aracaju, onde os semáforos apresentaram problemas e as vias estão alagadas. São eles: avenida Euclides Figueiredo, avenida Beira Mar, avenida Geraldo Barreto Sobral e avenida Tancredo Neves.

Além disso, foram realizadas quatro mudanças temporárias para garantir maior fluidez no trânsito. O retorno em frente ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) foi fechado porque o semáforo apresentou problemas. Foi criado um desvio no cruzamento entre as avenidas Beira Mar e Santos Santana, outro desvio na avenida Euclides Figueiredo e um último na avenida Airton Teles.

A SMTT segue à disposição da população, que pode acionar o órgão por meio do telefone 118.

Emsurb

Desde o início da atual gestão, alguns serviços de prevenção a alagamentos vêm sendo retomados, principalmente com relação à limpeza de canais. Durante toda esta terça-feira estão sendo feitas limpezas manuais do canal Santa Tereza, no bairro Aeroporto, e canal do bairro Soledade. Também já foram limpos os dos canais da avenida Airton Teles, do bairro São Carlos e do conjunto Lourival Batista.

Além disso, na última semana foi retomada a coleta, transporte e descarga de resíduos provenientes de reformas e demolições, em sua maioria, descartados de forma irregular em vias públicas e terrenos baldios, parada desde novembro do ano passado. Já foram beneficiados os bairros Farolândia, América, São Conrado, Aeroporto, Coroa do Meio, Ponto Novo, Castelo Branco, Siqueira Campos, 18 do Forte, Industrial, Santos Dumont, Bugio, São Carlos, Santa Maria, 13 de Julho, Suíssa e Centro.

Por conta das chuvas, também foi registrado um aumento na demanda de recolhimento de árvores que não suportaram o volume de água e estão caindo. Desde a última quinta-feira, 18, já foram registradas sete quedas de árvores.

 

Comente: