Obras do novo Terminal Pesqueiro seguem dentro do cronograma

Provando que a melhor maneira de enfrentar as dificuldades é promover a aceleração do crescimento sócioeconômico, o Executivo Estadual tem intensificado as ações de contribuição para o progresso e desenvolvimento em todos os territórios sergipanos. Por meio da Secretaria de Estado da Infraestrutura e do Desenvolvimento Urbano (Seinfra) em parceria com a Companhia Estadual de Obras Públicas (Cehop), o Governo de Sergipe vem executando dentro do cronograma as obras do novo terminal pesqueiro de Aracaju.

Com investimentos no valor de R$ 7.290.032,10, oriundos do Governo Federal, o futuro terminal pesqueiro será edificado na Avenida Otoniel Dórea, em frente ao Mercado Antônio Franco, tendo 1.256,22 m² de área construída e que já se configura como o maior investimento de um Governo em prol da cultura da pesca no estado.

Os serviços

Segundo o secretário estadual da Infraestrutura e do Desenvolvimento Urbano, Valmor Barbosa, os trabalhos estão em ritmo acelerado. “Diariamente 27 profissionais executam o cravamento das estacas de concreto, que variam de 4 a 17 metros de comprimento, bem como na construção da plataforma que servirá como suporte para o equipamento de bate-estaca, uma vez que a edificação avançará cinco metros adentrando o rio”, explica.

Ele diz que pelo bom andamento dos serviços a celeridade será mantida. “Das 78 estacas que fazem parte da obra, 18 já foram cravadas, concluído esse serviço será feita a prova de carga a fim de comprovar a resistência adequada. Posteriormente executaremos o corte de arrasamento no nível de cada uma, para só então dar início a estrutura da edificação (vigas e sapatas). No entanto, convém ressaltar que durante o processo de cravamento das estacas dentro do rio, outros serviços na área externa do terreno poderão ser desenvolvidos paralelamente, o que manterá o ritmo da obra a todo vapor”, afirma.
O novo terminal

A edificação do novo terminal será em dois níveis e composta de um espaço administrativo com lobby, lanchonete, cozinha, sala de reunião, salas administrativas, sanitários e sala para treinamento. Para o tratamento e distribuição de pescado e frutos do mar, a estrutura terá um cais de atracação com 632,00 m², áreas para recepção, seleção, beneficiamento e comercialização dos produtos, salas de higienização de equipamentos, depósito, recepção e controle, depósito de caixas limpas, higienização e embalagem, câmaras frigoríficas, silo de gelo, câmara de espera, depósito de resíduos e casa de máquinas, dentro das determinações estabelecidas pela Vigilância Sanitária.

Completando as dependências essenciais, o espaço interno terá uma sala de higienização, vestiários e sanitários para funcionários e tripulação, rampas e elevador de acesso, além de uma estação de tratamento de esgoto.

Comente: