“Lockdown, não. As pessoas precisam trabalhar, questão de sobrevivência” afirma Emília


Deixando claro, que defende o isolamento(para funções que podem ser desempenhadas em casa e para grupos de risco), distanciamento com os procedimentos de praxe, mas é  contrária a medida mais rígida adotada durante situações extremas numa pandemia, conhecida como “Lockdown”, a vereadora Emília Corrêa (Patriota) explicou que parecem  estar forçando a barra para que aconteça na capital, essa alternativa não tem justificativa.
“Os recursos federais chegaram, e não foram poucos, não se tem absolutamente nada de efetivo e o que a gente percebe é que estão forçando a barra para que haja o lockdown. E esses três meses de isolamento social, o que foi feito? E os pequenos comerciantes que já estão passando necessidade, e os pais/mães de famílias que perderam suas rendas, como ficam?, questiona a vereadora
Para Emília, a ajuda do auxílio emergencial fornecida pelo Governo Federal, é necessária, mas não é o suficiente, e a  população precisa  trabalhar, é questão de sobrevivência . “Estou muito preocupada com esta situação que estamos passando.  As famílias estão  pedindo socorro. Essa ajuda é bem-vinda, claro, mas não dá conta”, pontuou.
A parlamentar explicou que é possível fazer a abertura gradativa do comércio seguindo as orientações. “As pessoas querem e precisam trabalhar. Obviamente, dentro de todo regramento: usando máscaras, usando o álcool, mantendo o distanciamento, sem aglomeração…e quem, porventura, não seguir as orientações, neste caso, sim, fecha. Para isso deve reforçar a fiscalização. Cada um fazendo sua parte”, afirmou.
E, por fim, endossa: ” nunca cuidaram da saúde do povo, alegando de forma dissimulada falta de recursos…E agora? Muito triste tudo isso.”, concluiu.
Por Andrea Lima DRT 1861/SEFoto: César de Oliveira

Comente: